Depois do Porta Estreita e 50 kg mais magro, Paxtorzão inicia novo projeto: "O gabinete ficou pequeno"

A linguagem do atual formato é a mesma do Porta Estreita, mas agora o Paxtorzão saiu do gabinete. "O gabinete ficou pequeno, a gente agora quer mostrar a função do cristão fora da igreja, porque é fácil ser cristão dentro da igreja."

fonte: Guiame, Luana Novaes

Atualizado: Quarta-feira, 15 Julho de 2015 as 8

Paxtorzão, personagem de Daniel Araújo que ficou conhecido nos vídeos de humor do Youtube.
Paxtorzão, personagem de Daniel Araújo que ficou conhecido nos vídeos de humor do Youtube.

 

O Paxtorzão, personagem de Daniel Araújo que ficou conhecido nos vídeos de humor do Porta Estreita, publicados no Youtube, saiu das telas do computador para se apresentar no teatro do Hopi Hari, um dos maiores parques temáticos do Brasil, durante o Christian Day. Em entrevista exclusiva ao Guiame, ele falou sobre as mudanças profissionais e até as "físicas".
 
Em dezembro, ele e grande parte do elenco deixaram o Porta-Estreita para, em janeiro, iniciar um canal novo: Paxtorzão. Mas no meio do caminho, em fevereiro, sua mãe o inscreveu no quadro "Além do Peso", apresentado pela TV Record no "Programa da Tarde". "Foram 5 mil inscrições, eu fui selecionado, aceitei para ver até onde conseguia. Nisso foram 4 meses e eu acabei sendo vencedor do programa. Perdi 50 kilos, fui o que mais perdi, e acabei ganhando", conta.
 
Enquanto calorias foram queimadas, o projeto Paxtorzão teve que ser pausado – mas já está de volta a todo o gás. "Agora que o programa acabou a gente está com tudo, com projetos de curta e longa metragem. Saímos um pouco do Youtube e viajando o Brasil inteiro nas igrejas."
 
A linguagem do atual formato é a mesma do Porta Estreita, mas agora o Paxtorzão saiu do gabinete. "O gabinete ficou pequeno, a gente agora quer mostrar a função do cristão fora da igreja, porque é fácil ser cristão dentro da igreja. A gente quer mostrar ambientes mais externos, como é a vida do cristão no trabalho, na rua", explica Daniel.
 
A inspiração para as histórias satirizadas pelo grupo são as próprias experiências vividas pelo elenco. "A minha vida inteira estive dentro da igreja. Sou filho de pastor, então sempre acompanhei. Tudo o que você vê nos vídeos são experiências minhas ou do pessoal do elenco, que também são meus amigos e de muito tempo de igreja. Quem assiste e gosta sabe disso, que é o que acontece lá dentro. Por isso a gente fala com uma certa propriedade. Nem todos os vídeos tem graça, mas a ideia é que todos tenham uma mensagem."
 
Resistências
 
Até hoje Daniel afirma sofrer resistências com seu trabalho. Ele conta que, muitas vezes, pessoas na rua os reconhecem mais do que na internet – situações que servem de termômetro para avaliar o alcance dos vídeos. 
 
"Infelizmente as pessoas têm resistência, têm crítica, acham que a gente vai tirar sarro de pastor, falar de igreja. Nós não falamos de denominação nenhuma, cada um [do grupo] é de uma igreja. O projeto Pax não é de uma denominação, então a gente tem liberdade para falar com todas as igrejas e não falar de nenhuma. Então a crítica faz parte de todo o trabalho, ainda mais quando se fala com um público muito grande."
 
Ele ainda acrescenta que não faz só humor, mas há também um ministério. "A gente vai nas igrejas e pessoas nos falam que foram curadas da depressão, síndrome de pânico. Nosso trabalho é muito focado para o ministério, então se você não tem um ministério a gente faz um apelo, a gente ora junto. Na igreja a gente não faz só humor, a gente consegue fazer a parte do louvor – eu tenho ministério de louvor há 15 anos – e também a palavra, junto com a equipe. Então fica mais completo."

Confira a entrevista completa:
 

veja também