Diante dos ataques contra três países, Lucena alerta: 'É um momento de grande preocupação'

O dia foi marcado por atentados terroristas que aconteceram em países de três continentes diferentes, deixando dezenas de mortos. França, Tunísia e Kuwait foram alvos de terroristas, sendo que no Kuwait o ataque foi reivindicado pelo Estado Islâmico.

fonte: Guiame, com informações de G1

Atualizado: Sexta-feira, 26 Junho de 2015 as 4:24

Explosão, de autoria do Estado Islâmico, deixou mortos em mesquita xiita Al-Imam al-Sadeq. (AP)
Explosão, de autoria do Estado Islâmico, deixou mortos em mesquita xiita Al-Imam al-Sadeq. (AP)

 

Esta sexta-feira (26) foi marcada por atentados terroristas que aconteceram em países de três continentes diferentes, deixando dezenas de mortos. França, Tunísia e Kuwait foram alvos de terroristas, sendo que no Kuwait o ataque foi reivindicado pelo Estado Islâmico.

Na França, um carro invadiu uma usina de gás em uma área industrial perto da cidade de Lyon, causando uma explosão. Duas pessoas ficaram feridas, e um corpo decapitado foi encontrado no local. Três pessoas suspeitas de envolvimento foram presas.

Na Tunísia, pelo menos 37 pessoas – a maioria turistas de diversas nacionalidades – morreram no ataque a praia particular de um hotel na cidade de Sousse. Tiros foram ouvidos no local, um atirador foi morto e outro foi supostamente detido.

No Kuwait, pelo menos 25 pessoas morreram e mais de 200 ficaram feridas após uma explosão em uma mesquita xiita durante as orações de sexta-feira. O ataque foi reivindicado pelo Estado Islâmico.

Roberto de Lucena, deputado federal licenciado e atual secretário de Turismo do Estado de São Paulo, prestou condolências às vítimas dos ataques. "Solidarizo-me ao povo da França, da Tunísia e do Kuait em função dos atentados que ocorreram nesta sexta. Este é um momento de grande preocupação. Sinaliza uma aparente expansão das ações de grupos extremistas, terroristas liderados ou inspirados pelo Estado Islâmico", salienta.

Lucena condenou as práticas terroristas e alertou as autoridades globais. "O mundo precisa, cada vez mais, se unir para enfrentar o terrorismo e as práticas radicais do Estado Islâmico."

A Casa Branca e a ONU também condenaram os ataques nos três países.

"Nossos pensamentos e orações estão com as vítimas desses ataques atrozes, seus entes queridos e as pessoas desses três países", afirma um comunicado da Casa Branca.

Já o secretário-geral das Nações Unidas, Ban Ki-moon, classificou os ataques de "terroristas" e "espantosos", e exigiu que seus responsáveis sejam julgados. "Os responsáveis por esses atos de violência espantosos devem ser rapidamente levados ante a justiça", afirmou.

veja também