Em ataque terrorista a hotel, 7 missionários são mortos entre as 30 vítimas

Quatro dos missionários eram canadenses da mesma família e estavam na África desde o Natal, realizando um trabalho de ajuda às escolas e orfanatos.

fonte: Guiame, com informações de Portas Abertas

Atualizado: Sexta-feira, 5 Fevereiro de 2016 as 3:27

O ataque foi realizado para reforçar o domínio do grupo jihadista na região. (Foto: AP Photo)
O ataque foi realizado para reforçar o domínio do grupo jihadista na região. (Foto: AP Photo)

O ataque terrorista a um hotel de luxo em Ouagadougou, capital do país africano Burkina Faso, deixou 30 pessoas mortas, entre elas, sete missionários cristãos. O massacre foi reivindicado pelo Al-Qaeda do Magrebe Islâmico (AQIM – sigla em inglês).

Quatro dos missionários eram canadenses da mesma família e estavam na África desde o Natal, realizando um trabalho de ajuda às escolas e orfanatos.

Ao que tudo indica, o ataque ao Splendid Hotel, muito conhecido por hospedar estrangeiros, foi realizado para reforçar o domínio do grupo jihadista na região.

"O fato de a Al-Qaeda querer notoriedade sobre o ataque demonstra que o grupo quer chamar a atenção do Estado Islâmico, já que há uma competição estratégica entre eles”, comentou um analista de perseguição da organizacão Portas Abertas, que não foi identificado.

“Porém, eles não se atacam entre si, mas matam estrangeiros e cristãos para chamar a atenção um do outro, fazendo com que a violência aumente ainda mais onde há igrejas e minorias religiosas, que são como vitrines para os componentes do movimento jihadista", acrescenta.

Apesar de Burkina Faso não fazer parte da lista de países perseguidores de cristãos, está bem perto da Nigéria, que está na posição 12, de acordo com o ranking da Portas Abertas.

veja também