Escravas sexuais que escaparam do Estado Islâmico relatam traumáticos "testes de virgindade"

Uma pesquisadora da Vigilância de Direitos Humanos disse que ela conversou com as vítimas que confirmaram que centenas de mulheres e meninas foram submetidas pelas autoridades iraquianas a testes de virgindade, para provar que eles foram realmente estupradas.

fonte: Guiame, com informações do Christian Post

Atualizado: Quarta-feira, 3 Fevereiro de 2016 as 12:52

Mulheres protestam contra a violência do Estado Islâmico e a escravidão sexual, promovida pelo grupo terrorista (Foto: Agência Anadolu)
Mulheres protestam contra a violência do Estado Islâmico e a escravidão sexual, promovida pelo grupo terrorista (Foto: Agência Anadolu)

Centenas de mulheres e meninas yazidis, que foram forçadas à escravidão sexual pelo Estado Islâmico, conseguiram escapar e informaram que elas foram submetidas a dolorosos e traumáticos "testes de virgindade", pelas autoridades iraquianas para provar que eles haviam sido "realmente abusadas".

O jornal 'The Independent' informou que grupos de vigilância, como o 'Human Rights Watch', documentaram as experiências traumáticas às quais as mulheres foram forçadas a se submeter, depois de escapar do domínio do Estado Islâmico.

Rothna Begum, pesquisadora da divisão de direitos das mulheres do grupo, disse que ela falou com as vítimas que confirmaram que centenas de mulheres e meninas foram submetidas pelas autoridades iraquianas a testes de virgindade dolorosos, para provar que eles foram realmente estupradas.

HRW acrescentou, no entanto, que um juiz tenha informado que as autoridades iraquianas estão colocando um fim em tais testes e vão usar novos métodos de exames, com base nas recomendações da ONU.

"Este é um passo importante para as mulheres e meninas como 'Luna' (nome fictício), que agora podem buscar a justiça pelos crimes cometidos contra elas em um processo que mostra um profundo respeito pelos direitos das mulheres e um compromisso com a prestação de melhores cuidados para os sobreviventes de estupro", disse Begum.

Begum disse anteriormente que muitas meninas vítimas de abuso recorreem à cirurgia destinada a "restauração da virgindade" por causa de temores de que serão evitados pelos futuros maridos e familiares, devido ao fato de terem tido relações sexuais fora do casamento - fosse o ato de forma consensual ou não.

"Nos casos mais extremos, as mulheres e as meninas ficam tão traumatizado pelo fato de não serem mais virgens que insistem nesta cirurgia para se sentirem inteiras novamente. Elas sentem que perderam alguma coisa", revelou.

Um relatório conjunto da ONU informou em janeiro (2016), que pelo menos 3.500 mulheres e crianças no Iraque foram capturadas e usadas ​​como escravas pelo Estado Islâmico, apenas no período de 1º de janeiro de 2014, e 31 de Outubro, 2015.

Os combatentes do Estado Islâmico tentaram justificar as violações e abusos graves que cometem contra as mulheres e as crianças, como estes sendo "atos permitidos de acordo com o islamismo" e chegaram fazer uso de uma "teologia do estupro", na qual é possível encontrar "regulamentações" para as relações dos terroristas com suas escravas.

Vários relatos do ano passado registraram as intensas violações dos direitos humanos contra Yazidis e cristãos que se encontram sob o domínio do Estado Islâmico, incluindo um caso de julho de 2015, onde um militante espancou um garoto de apenas 1 ano de idade na frente da própria mãe até que todas suas exigências sexuais fossem atendidas.

"Eu concordei com tudo o que este homem queria por causa do meu filho", disse a mulher, que foi vendida em um "leilão", para um combatente de 50 anos de idade.

A mulher, que acabou sendo liberta, depois de um resgate pago com a ajuda de instituições de caridade, revelou que ela foi vendida várias vezes como escrava sexual, mas se recusou a cometer suicídio por causa de temores de que poderia acontecer com seu filho.

veja também