Estado Islâmico executa 10 crianças que tentaram fugir de um campo de treinamento

O grupo terrorista executou 10 garotos com idade inferior a 12 anos, por terem tentado fugir do campo de treinamento na cidade de Faluja.

fonte: Guiame, com informações do Christian Today

Atualizado: Terça-feira, 26 Janeiro de 2016 as 10:02

O Estado Islâmico (EI) executou recentemente 10 meninos com idade inferior a 12 anos, depois que eles tentaram escapar de um campo de treinamento do grupo terrorista em Faluja.

O grupo jihadista está também à procura de um garoto de 13 anos que atirou contra um número indeterminado de combatentes do EI, depois que os terroristas mataram 70 aves de estimação que ele tinha levado consigo ao campo de treinamento.

Fontes da cidade de Faluja (Iraque) revelaram que o Estado Islâmico havia tentado impedir o menino de criar os pombos reprodutores. Quando o menino persistiu na criação dos filhotes, os militantes do EI vieram e mataram todas as aves, açoitado o pai do menino e batendo em sua mãe, quando esta tentou intervir, segundo a Fox News.

"O menino ficou irritado, pegou um dos fuzis AK-47 dos combatentes e atirou em todos eles", disse uma testemunha.

Atualmente, o menino e sua família estão escondidos dentro de sua comunidade, protegidos por familiares e vizinhos que também repudiam as ações do Estado Islâmico.

Nenhuma outra informação foi fornecida sobre o caso dos 10 meninos que foram executados depois de fugirem do acampamento da organização terrorista.

A cidade de Faluja foi supostamente o primeiro 'prêmio' reclamado pelo EI em 2014. Fontes que falaram por telefone com a 'Fox News' pintaram um quadro sombrio da vida sob o domínio do Estado Islâmico, cada vez mais brutal e desesperado, que se prepara para um ataque das forças do governo iraquiano.

Bagdá já libertou as proximidades de Ramadi do domínio do EI anteriormente, com o apoio das forças da coalizão e as milícias xiitas, mas os planos de recuperar a cidade de Faluja desmoronou na segunda metade do ano passado, quando o risco de mortes de civis foi considerado muito grande.

"A cidade iraquiana é agora uma cidade fantasma, onde os moradores temem falar uns com os outros e qualquer sinal de resistência pode ser punido com brutalidade indescritível", diz uma fonte presa dentro da comunidade de Pittsburgh, apenas 40 milhas a oeste de Bagdá.

"Eles [os militantes ISIS] usam uniformes do governo iraquiano para enganar os cidadãos e fazê-los acreditar que a libertação já começou, apenas para matá-los quando se aventuram a partir de suas casas. Eles também se infiltram nas comunidades locais para erradicar residentes desleais. Acredita-se que centenas que foram mortos, tentando deixar Faluja, enquanto aqueles deixados para trás sofrem com a falta de alimentos, escassez de água e sem electricidade", informou.

Ao contrário de escolas normais, as escolas em Faluja estão abertas apenas em algumas horas durante o dia. Meninos e meninas são rigorosamente separados e os únicos cursos que estão sendo ensinados pertencem ao uso de armas, uma interpretação linha-dura de doutrina islâmica e aprendizagem da língua árabe clássica, que difere de dialetos locais.

Sob o governo do Estado Islâmico, as 'orações da manhã de sexta-feira' são sempre seguidas de execuções em massa na praça pública, incluindo o pessoas sendo colocadas em gaiolas com animais selvagens vorazes, sendo explodidas, incendiadas ou esmagadas por veículos blindados.

Mulheres suspeitas de adultério são decapitadas e os homens acusados de homossexualidade são jogados do alto de edifícios. Aqueles que serviram na força militar ou policial iraquiana são caçados e mortos. Os moradores locais são despojados de suas carteiras de identidade e outras documentações para impedir novas tentativas de deserção.

O grupo extremista tem procurado de famílias para fornecer pelo menos uma ou duas crianças combatentes - dependendo do tamanho da família - e meninos são forçados a se registrar para a seleção aos 14 anos.

"Eles tiveram quase dois anos para construir a cidade com suas defesas, fortalecer pontos estratégicos, definir todos os tipos de armadilhas, cavar túneis para facilitar a circulação entre as posições", disse o ex-tenente-coronel dos EUA Daniel Davis, que agora é um analista de políticas internacionais. "Eu esperaria que eles lutassem de forma muito mais fanática por Faluja".

veja também