Estado Islâmico mata dezenas de pessoas e sequestra 400 em cidade da Síria

Uma fonte síria disse que o grupo tem tentado atacar a cidade de Deir al-Zor (Síria), quase que diariamente e no sábado realizou vários ataques.

fonte: Guiame, com informações do Christian Today

Atualizado: Segunda-feira, 18 Janeiro de 2016 as 9:44

Militantes Estado Islâmico executaram dezenas de pessoas e sequestraram pelo menos 400 civis durante ataques a áreas controladas pelo governo na cidade de Deir al-Zor (Síria), no último sábado (16), segundo uma fonte e um grupo de acompanhamento.

O Observatório Sírio para os Direitos Humanos disse no último domingo que famílias de combatentes pró-governo estavam entre os sequestrados.

Uma fonte próxima ao governo sírio disse que os combatentes do Estado Islâmico mataram pelo menos 250 pessoas, incluindo combatentes pró-governo e suas famílias, quando eles atacaram os bairros de Bengali e Ayahs na cidade. Algumas das vítimas foram decapitadas.

O Observatório Sírio para os Direitos Humanos, que monitora a violência no país através de uma vasta rede de fontes locais, disse que os militantes mataram dezenas de pessoas.

"Nós temos a confirmação das mortes de 60 pessoas, mas o número deve ser maior que isso. Os detalhes são difíceis de conseguir até agora, mas as mortes estão na casa das dezenas", disse o líder do Observatório, Rami Abdulrahman à Reuters.

O Observatório disse mais cedo que pelo menos 35 soldados e combatentes pró-governo foram mortos nos ataques. A fonte síria disse que o grupo "cometeu um massacre entre os civis".

Ele disse que o exército repeliu os ataques e mataram um grande número de terroristas.

"Primeiramente, eles enviaram seis homens-bomba e tentaram invadir posições militares, mas não conseguiram", informou.

O Observatório disse que os combatentes do grupo terrorista tinham se infiltrado no lado noroeste da cidade e realizaram vários ataques.

O Estado Islâmico está no controle da maior parte da província oriental, enquanto o governo está mantendo o controle sobre outras partes da cidade, incluindo um aeroporto militar.

A Província de Deir al-Zor liga, de fato, a capital do Estado Islâmico em Raqqa (Síria) com o território controlado pelo grupo no Iraque.

As áreas mantidas pelo governo na cidade tinham sido sitiadas pelos combatentes islâmicos para Estado por mais de um ano e mais de 200.000 pessoas estão vivendo em condições terríveis, nas quais faltam alimentos e medicamentos.

A fonte síria disse que o grupo tem tentado atacar a cidade quase que diariamente e no sábado realizou vários ataques.

Simpatizantes estado islâmico na mídia social disseram que o grupo também tinha capturado um depósito de armas do exército e apreendeu tanques.

A Reuters não conseguiu verificar de forma independente destes relatórios.

O Observatório também disse que aviões de guerra desconhecidos realizaram oito ataques aéreos sobre a cidade de Raqqa, matando pelo menos 16 pessoas e ferindo outras 30.

veja também