Estado Islâmico não é uma 'ameaça existencial', segundo presidente Obama

"Grupos de combatentes na parte traseira de picapes e almas retorcidas em apartamentos ou garagens representam um enorme perigo para os civis e devem acabar. Mas isto não ameaça nossa existência nacional", disse Obama durante seu discurso.

fonte: Guiame, com informações do Christian Post

Atualizado: Quinta-feira, 14 Janeiro de 2016 as 12:57

O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama disse durante sua último Discurso Oficial para o Estado da União, na terça-feira (12) à noite que, embora o Estado Islâmico seja uma ameaça "real", não deve ser considerado como uma ameaça existencial - que poderia pôr em risco a identidade nacional.

Falando do edifício do Capitólio dos Estados Unidos na terça-feira à noite, o presidente disse que a utilização dos grupos terroristas como o Estado Islâmico e da Al-Qaeda como uma ameaça à identidade da nação gera ideias de xenofobia e preconceito religioso.

"Grupos de combatentes na parte traseira de picapes e plotagens de almas retorcidas em apartamentos ou garagens representam um enorme perigo para os civis e devem acabar. Mas isto não ameaça nossa existência nacional", disse Obama durante seu discurso.

"Nós não precisamos torná-los ainda mais fortes para mostrar que estamos falando sério, nem precisamos afastar aliados vitais nesta luta, ao ecoarmos a mentira de que o Estado Islâmico é o representante de uma das maiores religiões do mundo. Nós apenas precisamos classificá-los como eles realmente são: assassinos e fanáticos que têm de ser erradicados, caçados e destruídos", acrescentou o presidente.

O governo Obama tem recebido críticas de ambos os partidos políticos (democrata e republicano), que afirmam que o presidente levou a ameaça do Estado Islâmico a sério, permitindo assim que o grupo terrorista ganhe mais poder.

O senador de Oklahoma, James Inhofe reagiu ao discurso, argumentando que a liderança de Obama deixou os americanos menos seguros.

"Sua falta de liderança resultou em uma instabilidade global, a ascensão do Estado Islâmico e o enfraquecimento drástico dos nossos militares", disse Inhofe. "Os americanos estão agora menos seguros por causa da instabilidade no Oriente Médio que ele causou com as retiradas precipitadas das tropas do Iraque e do Afeganistão. O acordo que ele assinou com o Irã não faz nada, além de apaziguar nosso inimigo e com cada terrorista libertado de Guantánamo nós temos uma outra ameaça com que se preocupar".

O presidente recebeu críticas semelhantes em novembro do ano passado (2015), quando ele sugeriu que o grupo terrorista Estado Islâmico havia sido contido e não estava "ganhando força".

"Eu não acho que eles estejam ganhando força. A verdade é que, desde o início, nosso objetivo tem sido primeiramente contê-los e assim temos feito. Eles não ganharam terreno no Iraque e na Síria e vão sair de lá. Mas você não vê esta marcha sistêmica do EI em todo o terreno", disse o presidente no programa "Good Morning America" no início de novembro.

Poucas semanas depois desta entrevista, o presidente pareceu reverter sua posição, dizendo durante uma coletiva de imprensa que a "ideologia assassina" do Estado Islâmico "[representa] uma séria ameaça para todos".

Durante o Discurso da última terça-feira, o presidente continuou a discutir a sua estratégia para lidar com o Estado islâmico no Oriente Médio.

"A nossa resposta tem de ser mais que uma conversa dura ou chamadas para os civis. Isso pode funcionar como uma 'bomba' na TV, mas não chega ao cenário mundial", disse o presidente.

"Há uma abordagem mais inteligente, paciente e uma estratégia disciplinada [...] sobre questões de interesse global. Vamos mobilizar o mundo para trabalhar conosco, e certificar-se de outros países puxam o seu próprio peso. Essa é a nossa abordagem aos conflitos como a Síria, onde estamos em parceria com as forças locais e liderando com os esforços internacionais para fazer com que a sociedade dividida busque uma paz duradoura", acrescentou Obama.

veja também