Estado Islâmico vandaliza igrejas históricas no Iraque e substitui cruzes por suas bandeiras negras

Além das cruzes, estátuas e outros símbolos também foram destruídos.

fonte: Guiame, com informações do Christian Post

Atualizado: Terça-feira, 17 Março de 2015 as 4:49

Terrorista do EI vandaliza igreja histórica no Iraque, colocando a bandeira da organização extremista no lugar de uma cruz.
Terrorista do EI vandaliza igreja histórica no Iraque, colocando a bandeira da organização extremista no lugar de uma cruz.

O Estado Islâmico publicou recentemente, fotos que exibem os seus atos de destruição cometidos contra igrejas históricas, na região de Ninawa, Iraque. Entre outros atos de vandalismo, os terroristas destruiram as cruzes colocadas no alto dos templos e puseram suas bandeiras no lugar dos ícones cristãos.

Além das cruzes, estátuas e outros símbolos também foram destruídos.

"As imagens mostram homens ISIS envolvidos na destruição de vários símbolos cristãos, que ISIS percebe como sendo politeísta e idólatra", disse uma agência que monitora a ação do grupo terrorista nos estados.

O EI, que conquistou um número de cidades em todo o Iraque e Síria, disse que as relíquias cristãs promovem a idolatria, e vão contra a sua implementação da lei islâmica.

"Eles não se importam como isto é chamado. Eles estão apenas seguindo a sua ideologia, o que significa livrar-se das igrejas e das minorias. É o Estado islâmico e não há espaço para mais ninguém", disse o diretor da agência, Steven Stalinsky, de acordo com o 'Daily Mail'.

"Isso vem acontecendo há algum tempo: uma campanha sistemática para livrar a região de quaisquer vestígios do cristianismo".

Ao longo de sua campanha, o EI tem frequentemente colocado os cristãos como seu alvo principal. Em fevereiro, cerca de 250 cristãos assírios foram seqüestrados, e antes disso, 21 cristãos coptas (egípcios) já haviam sido decapitados em um vídeo que trazia como título: "Uma mensagem assinada com o sangue para o Povo da Cruz".

Todd Daniels, gerente regional da "International Christian Concern" - organização internacional que trabalha em prol de cristãos perseguidos em todo o mundo - para o Oriente Médio disse afirmou à época das decapitações do coptas, que o governo egípcio precisava responder rapidamente a esta barbaridade.

"Esses extremistas islâmicos continuam a reivindicar a sua inspiração para suas ações a partir de suas crenças religiosas e, mais uma vez cometeu horrível violência no estabelecimento de suas crenças religiosas. Exortamos fortemente o governo egípcio a agir rapidamente para fornecer proteção para os seus cidadãos que permanecem na Líbia e enfrentam ameaças continuam se tentarem fugir do país", alertou.

No início do mês de março, os militantes do Estado Islâmico foram vistos intimidando e destruindo a antiga cidade bíblica de Nimrud, no Iraque. As famosas estátuas e tesouros arqueológicos da cidade assíria, fundada no século 13 aC, foram destruídos por abrigarem "falsos ídolos", de acordo com os jihadistas. A ONU condenou a ação como um "crime de guerra".

 

 

 

veja também