Estudante cristão é expulso da universidade após se opor ao casamento gay no Facebook

O motivo da expulsão foi a publicação que o britânico escreveu em sua página do Facebook se opondo ao casamento gay.

fonte: Guiame, com informações de Christian Today

Atualizado: Segunda-feira, 29 Fevereiro de 2016 as 3:07

Ngole está apelando da decisão com a ajuda do Centro Legal Cristão. (Foto: Christian Concern)
Ngole está apelando da decisão com a ajuda do Centro Legal Cristão. (Foto: Christian Concern)

O estudante cristão Felix Ngole, de 38 anos, foi convidado se retirar da Universidade de Sheffield, na Inglaterra, onde se preparava para concluir o mestrado no curso de Assistência Social. O motivo da expulsão foi a publicação que o britânico escreveu em sua página do Facebook se opondo ao casamento gay.

A decisão foi tomada depois que membros da universidade concluíram que a publicação “causou ofensas” à algumas pessoas por expressar apoio a Kim Davis, a tabeliã norte-americana presa por se recusar a emitir licenças de casamento entre pessoas do mesmo sexo.

No texto, o estudante também citou um trecho do livro bíblico de Levítico, que apresenta a visão de Deus em relação ao casamento homoafetivo.

A publicação chamou a atenção da universidade, e uma comissão interna decidiu que Ngole deveria ser excluído do programa de qualificação profissional e não seria mais “reconhecido como um estudante da Universidade de Sheffield".

De acordo com o comitê, Ngole "pode ​​ter ofendido algumas pessoas" e "ultrapassou limites que não são adequados para alguém que queira entrar na profissão de assistente social". Sua ação teria um efeito sobre a sua "capacidade de realizar um bom papel como assistente social", avaliou o comitê.

Ngole está apelando da decisão com a ajuda do Centro Legal Cristão. "As minhas crenças sobre o casamento e a ética sexual refletem, principalmente, a minha compreensão bíblica, compartilhada por milhões em todo o mundo. Simplesmente expressar esse entendimento, a título pessoal, na minha página do Facebook, não pode me barrar de servir e ajudar outras pessoas como assistente social”, desabafou o estudante.

Os comentários de Ngole em questão foram publicados na rede social em setembro do ano passado, na época em que o caso de Kim Davis teve grande repercussão.

"O tratamento da universidade da viola fundamentalmente as suas responsabilidades nos termos da Lei de Direitos Humanos”, disse Andrea Williams, chefe do Centro Legal Cristão. “Os estudantes têm o direito de discutir e debater as suas opiniões pessoais em sua página no Facebook.”

veja também