Evangélicos organizam protesto contra exibição de 1ª cena de sexo gay na Globo

A cena, que envolve André (Caio Blat) e Tolentino (Ricardo Pereira), será longa, exibirá nu traseiro e terá conteúdo sexual minimizado para o aspecto "afetivo" sobressair.

fonte: Guiame, com informações de UOL

Atualizado: Terça-feira, 12 Julho de 2016 as 3:19

Personagens interpretados por Ricardo Pereira e Caio Blat vivem um amor homossexual em 'Liberdade Liberdade'. (Foto: Raphael Dias/TV Globo)
Personagens interpretados por Ricardo Pereira e Caio Blat vivem um amor homossexual em 'Liberdade Liberdade'. (Foto: Raphael Dias/TV Globo)

A Globo irá exibir nesta terça-feira (12) sua primeira cena de sexo gay na TV aberta brasileira, em “Liberdade, Liberdade”, exibida na faixa horária das 23h.

A cena, que envolve André (Caio Blat) e Tolentino (Ricardo Pereira), será longa, exibirá nu traseiro e terá conteúdo sexual minimizado para o aspecto afetivo sobressair, segundo informou o jornal O Estado de S. Paulo.

Para se manifestar contra a exibição, a bancada evangélica do Congresso Nacional, juntamente a algumas lideranças religiosas, mobilizaram seguidores para promover uma passeata em várias capitais contra a cena. A informação é do colunista Ricardo Feltrin.

“Tem gente pensando que quanto mais safadeza e imoralidade, melhor”, disse o pastor Silas Malafaia nas redes sociais. “O povo não é bobo. Os pais estão preocupado com o lixo moral dentro de suas casas, só contribuiu para desgraçar a família e os valores morais. As TVs que se cuidem”.

Uma página católica também se manifestou, incentivando seus seguidores a repudiarem este tipo de exibição na TV aberta. “Uma nação cristã não pode se calar diante desta promoção de atos abomináveis aos olhos do Nosso Deus. Deus ama o pecador (a pessoa), mas abomina o pecado (a ação)”, diz um trecho publicado pela página Paraclitus.

Embora a cena seja exibida hoje, os atores trabalharam nela durante duas horas, no dia 28 de junho. O autor, Mário Teixeira, pretende mostrar que a homossexualidade era tratada como crime no início do século 19, quando se passa a história da novela.

“O que importa são as consequências desse momento, e elas serão nefastas para os dois. Naquela época, a sodomia era motivo para pena de morte, com enforcamento. Não era nem preconceito, porque o conceito de homossexualidade nem existia, era tratado como ato inatural, como pecado”, disse ele.

Beijo gay

Essa não é a primeira vez que a emissora tenta promover a homossexualidade em suas novelas. Em janeiro de 2014, a Globo chocou muitos espectadores e famílias brasileiras ao exibir o primeiro beijo gay de sua história, em rede nacional.

A cena protagonizada pelos atores Thiago Fragoso e Mateus Solano, no último capítulo da novela "Amor à Vida", gerou polêmica e muitos debates, entre o apoio da comunidade LGBT e os protestos de muitos defensores dos Direitos da Família.

A grande repercussão da cena parece ter estimulado outros diretores de novelas da Globo, o que levou duas veteranas como Fernanda Montenegro e Nathalia Timberg a protagonizarem o primeiro beijo lésbico da TV brasileira logo no início da trama "Babilônia".

Diferente do esperado, a cena gerou mais atos repúdio que de aprovação e a audiência da novela foi um dos maiores fracassos da rede Globo.

veja também