Feminista alerta que ideologia de gênero pode ser nociva para meninas e mulheres

"Sem não pudermos citar os seres humanos como macho ou fêmea, nós mulheres não teremos nenhuma esperança de nos protegermos da violência que os homens cometem contra nós", diz a feminista norte-americana Kathleen Sloan

fonte: Guiame, com informações do Christian Post

Atualizado: Quarta-feira, 29 Junho de 2016 as 11:01

Homem participa da parada gay de Londres, em 25 de junho de 2016. (Foto: Reuters)
Homem participa da parada gay de Londres, em 25 de junho de 2016. (Foto: Reuters)

A feminista proeminente e ativista pró-aborto Kathleen Sloan diz que as leis destinadas a proteger as pessoas com base na identidade de gênero são "prejudiciais para as mulheres", porque ajudam a obscurecer a "opressão baseada no sexismo, que as mulheres têm enfrentado por milhares de anos em sociedades patriarcais".

Sloan, uma ex-integrante do conselho da Organização Nacional "pró-escolha" (a favor da legalização do aborto) para as mulheres, escreveu um artigo de opinião, publicado pelo Delaware Online, que critica um projeto de lei apresentado no Senado de Delaware, que faria dos grupos que se baseiam na "identidade de gênero", uma classe protegida pela constituição do estado.

Enquanto os direitos transexuais ganharam foco da mídia norte-americana nos últimos meses, graças a uma lei da Carolina do Norte que exige que as pessoas usem os banheiros estatais compatíveis com seu sexo biológico e uma orientação administração Obama que exorta todas as escolas públicas permitirem que os alunos usem banheiros e vestiários de maneira consistente com a sua "identidade de gênero", Sloan afirmou que a lei de Delaware lhe dá "uma oportunidade ideal para explorar o contexto mais amplo" e que o impulso identidade de gênero é "prejudicial para mulheres e meninas".

"Para os defensores dos direitos das mulheres e líderes feministas como eu, leis que incluem a identidade de gênero levantam uma série de bandeiras vermelhas para as suas consequências não intencionais para as mulheres", afirma Sloan.

Um dos problemas que o movimento identidade de gênero representa para as mulheres e meninas é o fato de que ela traz consigo uma perda de "espaços seguros", que antes eram reservados para mulheres, como banheiros públicos e vestiários.

"Quando o acesso a esses espaços públicos é baseado apenas em uma crença subjetiva sobre que seria uma mulher, isso efetivamente permite que os homens reivindiquem uma identidade de gênero e tenham acesso aos espaços das mulheres a qualquer momento. Este é um problema para as mulheres, porque nossa biologia nos torna fisicamente vulneráveis aos homens", afirma Sloan.

"O fato de que os homens são geralmente fisicamente mais fortes e maiores torna as mulheres fisicamente vulneráveis aos homens. Estamos também socialmente vulneráveis, ​​devido à violência física e sexual onipresente contra as mulheres com base no nosso sexo biológico. Por que será que só as mulheres deveriam ter medo de andar sozinhas nas ruas à noite?".

Os problemas que o movimento da identidade de género apresenta para as mulheres vai além de preocupações com a privacidade, Sloan opina.

De acordo com Sloan, que o esbater das fronteiras de género irá torná-lo "impossível nomear sexo biológico como a fonte de opressão das mulheres, subjugação e da desigualdade em um mundo patriarcal."

"Em vez de desafiar o estabelecimento de papéis e comportamentos dominantes e submissos, o movimento pela identidade de gênero, em última instância, os sustenta e os perpetua".

Sloan também argumenta que acomodar leis favoráveis à ideologia de gênero pode tornar mais difícil a documentação de homens que cometem crimes violentos contra as mulheres, porque eles podem "se identificar legalmente como mulheres", o que poderiam obscurecer as estatísticas desse tipo de crime.

Sloan também aponta que as leis de identidade de gênero também fará prisioneiras vulneráveis ​​a homens biológicos que escolhem para identificar como a fêmea, para que possam ser enviados para uma prisão feminina.

"Sem não pudermos citar os seres humanos como macho ou fêmea, nós mulheres não teremos nenhuma esperança de nos protegermos da violência que os homens cometem contra nós, muito menos derrubar a misoginia patriarcal que tem nos oprimido e nos aterrorizado por milênios", escreveu Sloan. "Imploro aos legisladores de Delaware que considerem estas realidades e removam a questão da identidade de gênero da lei contra a discriminação sexual; façam isso pelas mulheres: suas esposas, suas parceiras, suas irmãs e suas filhas".

O jornal 'Daily Caller' relatou que, para que a proposta de alteração da "identidade de gênero" seja aprovada, seria necessário que pelo menos dois terços de ambas as casas legislativas estaduais votassem a favor do projeto de lei.
Os democratas têm 25 dos 41 assentos na casa do estado de representantes e apenas 12 dos 21 assentos no Senado do estado.

veja também