Forte terremoto mata 8 pessoas e desaloja 1 milhão, no Chile

A presidente do Chile iniciou a manhã desta quinta-feira com uma reunião com seus ministros às 8h, em Santiago, para coordenar uma viagem à zona mais afetada.

fonte: Guiame, com informações do G1

Atualizado: Quinta-feira, 17 Setembro de 2015 as 8:28

Ondas invadem avenida na orla da cidade de Coquimbo, no Chile. Horas antes, um tremor de magnitude 8,3 foi registrado na costa do país
Ondas invadem avenida na orla da cidade de Coquimbo, no Chile. Horas antes, um tremor de magnitude 8,3 foi registrado na costa do país

Na última quarta-feira (16), as regiões do Atacama e de Coquimbo (Chile) foram fortemente afetadas por um grande terremoto registrado na costa chilena. Até o momento, 8 mortes foram confirmadas e cerca de 1 milhão de pessoas estão desalojadas.

Como se não bastasse a devastação causada pelo tremor de magnitude 8,4 (segundo o o serviço sismológico chileno), um alerta de tsunami foi emitido para as regiões mais próximas do epicentro e permaneceu até a manhã desta quinta-feira (17). O Escritório Nacional de Emergência do Chile (Onemi), vinculado ao Ministério do Interior e de Segurança Pública já cancelaram o alerta.

O porto de Coquimbo sofreu danos severos e está inoperante, informou o ministro do Interior chileno, Jorge Burgos.

Autoridades locais já determinavam a evacuação das áreas litorâneas, enquanto imagens de televisão mostravam sirenes de alerta ativadas.

Em 2010, um terremoto de magnitude 8,8 deixou centenas de mortos no Chile.

A presidente do Chile, Michelle Bachelet decretou como 'zona de catástrofe', as províncias de Choapa, Canela, Los Vilos e para a comuna de Coquimbo, próximas do epicentro - o que deixa estas áreas sob comando militar. O governo destinará mais recursos para atender a emergência.

Bachelet iniciou a manhã desta quinta-feira com uma reunião com seus ministros às 8h, em Santiago, para coordenar uma viagem à zona mais afetada.

O primeiro tremor (magnitude 8,4) foi registrado às 19h54 (hora local, mesma de Brasília), com pelo menos 11 réplicas posteriores, de magnitude maior que 4,4, segundo o serviço sismológico chileno.

Na manhã desta quinta, já houve uma nova réplica, de magnitude 5,3, mas sem potencial para gerar alerta de tsunami.

veja também