Garoto de 9 anos é o primeiro no Brasil autorizado a mudar de nome e gênero

Aos 9 anos, ele está prestes a se tornar a primeira criança a tomar medicamentos com o objetivo de bloquear a puberdade masculina e incentivar a feminina, como o nascimento de seios.

fonte: Guiame, com informações de Veja

Atualizado: Segunda-feira, 1 Fevereiro de 2016 as 9:28

Com cabelos compridos e trajes femininos, a criança fará mudança de nome e de gênero para o feminino nos documentos. (Foto: Veja/ Fernando Moraes)
Com cabelos compridos e trajes femininos, a criança fará mudança de nome e de gênero para o feminino nos documentos. (Foto: Veja/ Fernando Moraes)

A Justiça do Mato Grosso determinou nesta quinta-feira (28) a mudança de nome e de gênero para o feminino nos documentos de um menino de 9 anos de idade.

A criança é a primeira do Brasil a receber essa autorização da Justiça. Segundo análise do juiz Anderson Candiotto, “a personalidade da criança, seu comportamento e aparência remetem, imprescindivelmente, ao gênero oposto de que biologicamente possui”.

Com cabelos compridos, presos a um pequeno lacinho e trajes femininos, a criança disse em entrevista à revista Veja que agora não terá mais problemas. “Às vezes me chamavam pelo nome masculino, no postinho de saúde e nas viagens, e era sempre era aquele zum zum zum quando olhavam para mim e para o meu documento. Eu me sentia muito mal, mas agora isso vai mudar.”

Antonio, pai da criança e sargento aposentado do Exército, acompanhou ativamente a batalha na Justiça por três anos. “Eu ia direto no fórum cobrar uma resposta e os documentos sempre estavam na mesa do juiz para decidir”, conta.

Vibrando com a resposta do processo, a mãe, Beatriz, afirma que agora será mais fácil quando o filho for arrumar emprego ou até mesmo se casar. “A gente ficou surpreso porque nem transexuais adultos, que estão há anos tentando na Justiça, conseguiram o que ela conseguiu".

Anos de conflito

A família conta que tudo começou quando o garoto tinha 2 anos. Segundo relatos da mãe à revista Veja, o menino pegava as presilhas das coleguinhas da creche e ajustava em seus fios loiros, e colocava blusas para usá-las como vestidos, amarradas com um cinto.

Com o passar do tempo, a feminilidade do garoto se acentuava, e a família decidiu buscar a ajuda de um pastor evangélico. A orientação dada à família foi a de ensinar a criança a conduta correta e orar enquanto ela dormisse. A família, no entanto, afirmou à revista que “o inferno na casa só se agravava”.

Meses depois, os pais resolveram procurar ajuda no Ambulatório Transdisciplinar de Identidade de Gênero e Orientação Sexual, do Instituto de Psiquiatria, do Hospital das Clínicas de São Paulo. Ali, foram orientados a não repreender nem incentivar o comportamento dele.

Os pais passaram a criá-lo como ele sempre quis, atendendo a um nome feminino não divulgado para preservar a identidade do filho. Aos 9 anos, ele está prestes a se tornar a primeira criança com fortes indicativos de transexualidade a tomar medicamentos com o objetivo de bloquear a puberdade masculina e incentivar a feminina, como o nascimento de seios.

Beatriz e o marido se afirmam felizes sobre as escolhas da caçula (eles também são pais de um garoto de 10 anos) e se preparam para as próximas fases que agora “ela” terá de enfrentar. “Agora me sinto uma menina inteira”, diz a criança. “Meu único medo é minhas amigas deixarem de falar comigo se um dia descobrirem que eu já fui menino.”

As mentiras da ideologia de gênero

A ideologia de gênero nada mais é do que dar a um homem ou uma mulher o direito de escolher a que sexo gostaria de “adotar”. Isso significa que a regra não é mais biológica, mas ideológica não querem mais que a natureza determine os ditames.

“Não é honesto que, para fazer caber teorias, ideologias dos adultos, crianças sejam usadas como cobaias”, afirma Marisa Lobo, psicóloga especializada em Direitos Humanos e ativista social pró-família.

“Estamos esquecendo que nossas crianças têm o direito de serem crianças, de serem respeitadas e protegidas em sua integridade, suas crenças, seus sistemas familiares de valores, que incluem suas tradições familiares, valores morais, éticos, religiosos, repassados pela sua família de geração em geração”, complementa a profissional.

A psicóloga lembra que a infância é um período onde há um grande desenvolvimento físico, motor e psicológico da criança. “As relações de afeto são geradas na infância, como boa parte de sua concepção de vida. Como profissionais de saúde mental, temos que ser honestos e esclarecer que tais crianças ainda não têm maturidade psicológica suficiente para serem consideradas adolescentes, ou adultas, portando a educação deve ser diferenciada e protetiva”.

Falando contra a proposta da inclusão da ideologia de gênero nas escolas, que integra os Planos Municipais de Educação (PMEs) em todo o País, o Secretário de Turismo do Estado de São Paulo, Roberto de Lucena, afirma que é absurdo invadir o direito dos pais de educar seus próprios filhos com relação a temas como sexualidade.

“Creio que não vamos encontrar conceito mais claro e atual sobre este assunto que os próprios ensinamentos bíblicos. O desenvolvimento da própria humanidade depende da união física entre homem e mulher. Faz-se claro que este 'conceito' instalado pela 'ideologia de gênero' é fruto de uma constante insatisfação humana, que se baseia em valores efêmeros, sem qualquer base sólida”, afirma o parlamentar.

veja também