Israel permite a remoção de explosivos do local onde Jesus foi batizado

O local se tornou um campo minado desde que Israel instalou explosivos para afastar ataques da Jordânia, na Guerra dos Seis Dias.

fonte: Guiame, com informações de Time

Atualizado: Segunda-feira, 16 Maio de 2016 as 4:48

Um grupo de peregrinos na Cisjordânia visualizam o local do batismo de Jesus, enquanto cercas os mantêm fora da zona de minas. (Foto: Alamy Stock Photo)
Um grupo de peregrinos na Cisjordânia visualizam o local do batismo de Jesus, enquanto cercas os mantêm fora da zona de minas. (Foto: Alamy Stock Photo)

A Halo Trust, uma organização britânica especializada na limpeza de escombros de guerras, irá remover as minas terrestres que foram deixadas em Qasr al-Yahud, nome do local que abriga o Rio Jordão, onde Jesus Cristo foi batizado, na Cisjordânia.

Sete igrejas que existem no local estiveram inacessíveis desde a Guerra dos Seis Dias, em 1967, quando Israel instalou minas na área para afastar ataques da Jordânia. Autoridades israelitas e palestinas concederam o acesso da HALO, junto com as sete igrejas negligenciaram as estruturas em meio às minas.

O local é um campo minado de 136 acres de medida, que bloqueou o acesso a sete igrejas desde a Guerra dos Seis Dias, em 1967, quando Israel instalou minas na área para afastar ataques da Jordânia.

A remoção das minas permitirá que as igrejas católica, copta, etíope, grega, romena, ortodoxa síria e russa possam restaurar seus espaços, apreciados por milhares de peregrinos.

O projeto está programado para ser finalizado entre 18 e 20 meses, e conta com o apoio de congregações e organizações para levantar os fundos, que deverão custar cerca de US$ 4 milhões.

Depois de ser limpo, a ideia da Halo Trust é que o campo minado se torne um parque nacional.

veja também