Jogador do Chelsea teve pais mortos por serem missionários, na Nigéria

Os pais de Victor Moses foram alvo de terroristas islâmicos por serem missionários e terem sua própria igreja, na Nigéria.

fonte: Guiame, com informações de UOL

Atualizado: Quarta-feira, 26 Abril de 2017 as 10:21

Hoje, Victor Moses é titular da ala direita do Chelsea, líder do Campeonato Inglês. (Foto: Reprodução)
Hoje, Victor Moses é titular da ala direita do Chelsea, líder do Campeonato Inglês. (Foto: Reprodução)

Victor Moses tinha apenas 11 anos quando foi avisado por um tio que seus pais, Austin e Josephine, estavam mortos.

Em meio às tensões entre muçulmanos e cristãos, eles foram alvo de grupos terroristas islâmicos por serem missionários e terem sua própria igreja em Kaduna, cidade de 750 mil habitantes na Nigéria.

Depois que os pais de Victor foram assassinados, o pequeno se tornou o próximo alvo. Para que ele escapasse da morte, alguns amigos o esconderam por uma semana até que conseguiram enviá-lo sozinho para a Inglaterra.

Asilado político pelo Reino Unido, o garoto foi adotado por uma nova família na Europa e encontrou tranquilidade para cumprir seu destino de jogar futebol profissionalmente.  

Hoje, Victor é titular da ala direita do Chelsea, líder do Campeonato Inglês e favorito à conquista da Premier League. No entanto, ele continua guardando os ensinamentos e princípios passados a ele por seus pais.

“Estejam onde estiverem, espero que eles estejam orgulhosos de mim, que eles olhem aqui para baixo e se encham de orgulho. Foi uma viagem longa [da Nigéria até a Inglaterra] e tive de me manter forte e trabalhar duro para chegar até aqui””, disse ele ao jornal britânico The Guardian, em 2012.  

Cenário de perseguição

Segundo a organização Portas Abertas, a Nigéria tem sofrido um intenso aumento nos casos de perseguição aos cristãos ao longo dos anos. Cerca de 11.500 cristãos foram mortos no norte do país entre 2006 e 2014, e 13 mil igrejas foram destruídas, forçando 1,3 milhões de cristãos a fugirem para áreas mais seguras do país.

Apenas em 2015, o número de cristãos mortos na região aumentou em 62%, deixando 4.028 vítimas e 198 igrejas atacadas, de acordo com o relatório.

As agências de segurança e o governo nigeriano recentemente ameaçaram os líderes cristãos que se manifestaram sobre os ataques do grupo extremista islâmico Boko Haram e dos Pastores Fulani.

Além disso, o ainda governo ordenou, na última semana, o cancelamento de um dia de oração e de luto nacional em apoio às famílias que perderam seus entes queridos em razão da perseguição religiosa.

veja também