Jovens fazem paródia de vídeo pró-aborto em resposta aos atores da Globo; assista

Em resposta ao vídeo, um grupo de jovens da Arquidiocese de Curitiba (PR) lançou uma nova gravação nesta segunda-feira (23) onde fazem uma paródia da proposta original, intitulada de "Meu Corpo, Minhas Regras".

fonte: Guiame

Atualizado: Quinta-feira, 26 Novembro de 2015 as 12:05

No vídeo original, os atores globais dizem que a discussão sobre o aborto ou até mesmo o desejo de abortar já existia nos tempos bíblicos e Maria, mãe de Jesus, teria o direito de tomar esta decisão. (Foto:Reprodução/ Youtube)
No vídeo original, os atores globais dizem que a discussão sobre o aborto ou até mesmo o desejo de abortar já existia nos tempos bíblicos e Maria, mãe de Jesus, teria o direito de tomar esta decisão. (Foto:Reprodução/ Youtube)

Lançado nas mídias sociais no início do mês, um vídeo pró-aborto, que conta com a participação de diversos atores da TV Globo, gerou uma grande repercussão negativa após expor uma mensagem apelativa e afirmar que Jesus não nasceu de uma mulher virgem.

Em resposta ao vídeo, um grupo de jovens da Arquidiocese de Curitiba (PR) lançou uma nova gravação nesta segunda-feira (23) onde fazem uma paródia da proposta original, intitulada de "Meu Corpo, Minhas Regras".

Segundo os atores globais no vídeo original, a discussão sobre o aborto ou até mesmo o desejo de abortar já existia nos tempos bíblicos e Maria, mãe de Jesus, teria o direito de tomar esta decisão.

"Falar de gravidez é um tabu milenar. Contam como se tudo fosse maravilhoso, cor-de-rosa, sublime. Isto vem desde Nossa Senhora, que engravidou virgem. Uma gravidez sem sexo, sem corpo, sem desejo, sem medo... Sem sexo? Esse lance de virgindade? Erro de tradução", diz parte do texto, declamado por atores como Alexandre Borges, Bruna Linsmeyer, Bárbara Paz e Julia Lemmertz.

A paródia de resposta, intitulada como "Meu Corpo, Teu Corpo", apresenta argumentos pró-vida, esclarecendo verdades bíblicas e ressaltando o valor da existência de uma criança. "É impressionante quem teve o direito de nascer querer tirar o direito do outro nascer. Quem deseja o direito do próprio corpo, precisa respeitar o direito do corpo do outro", dizem os atores.

"Nunca foi fácil ter uma criança no mundo. É milenar. Desde o tempo de Nossa Senhora, [...] a virgem Maria. Virgem? Virgem e mãe. Gravidez turbulenta. Família pobre. Treze anos e correndo o risco de ser morta apedrejada. Quanto medo, quanta insegurança. Essa sim tinha motivo de sobra para dizer não, mas ela disse 'quero', mesmo sem saber o que ia acontecer no futuro", continuou o texto.

O vídeo gerou a reação de diversos militantes pró-vida no Brasil, como no caso da psicóloga cristã, Marisa Lobo, que divulgou uma petição online, com uma nota de repúdio à iniciativa da campanha "Meu Corpo, Minhas Regras", além de diversos usuários das redes sociais, que criticaram o vídeo em seus comentários.

Resposta bíblica

Ao ter ciência do vídeo, o pastor gaúcho Jackson Jacques decidiu dar uma resposta ao vídeo, explicando que não há qualquer erro de tradução, quando a Bíblia fala no nascimento de Jesus Cristo, vindo de uma virgem.

Citando e lendo as passagens de Isaías 7:14 e Mateus 1:23 (que citam a mesma profecia sobre o Cristo, nascido de uma virgem), o teólogo explicou o sentido da palavra hebraica 'Almah' - que em uma tradução literal quer dizer 'jovem' - e o contexto em que ela é usada nos escritos originais, posteriormente traduzidos para o grego.

"Sempre que a Bíblia usa a palavra 'Almah', está se referindo sim a uma virgem. A palavra 'Bethulah' se entende que toda moça em Israel é virgem. O termo usado para quando ela é nova é 'Almah', porque seria uma redundância dizer que ela é virgem", afirmou.

Jackson ainda ressalta que toda a história de Jesus Cristo envolve o sobrenatural e o cumprimento de profecias.

"Ele entrou no mundo de forma distinta dos homens e Ele sai do mundo de forma distinta dos homens. Deus se faz homem, vem a esse mundo, entra de forma distinta, por intermédio de uma virgem e sai de forma gloriosa, ressurreta. Ele ressuscita, fica mais 40 dias com os discípulos e depois sobe aos céus. Como testemunhas disso, nós temos milhares e milhares de pessoas da igreja do Primeiro Século", destacou.

 

veja também