Magno Malta cita Bíblia em discurso final do Impeachment: “O que está oculto virá à luz”

O senador afirmou que embora o governo de Dilma tenha cometido omissões, sua eleição foi permitida por Deus. “Foi a eleição dela que permitiu que as lambanças viessem à luz, e tomamos conhecimento de todas elas”.

fonte: Guiame

Atualizado: Terça-feira, 30 Agosto de 2016 as 10:01

Em seu discurso, o senador Magno Malta citou Deus, Salomão e a Bíblia. (Foto: Reprodução)
Em seu discurso, o senador Magno Malta citou Deus, Salomão e a Bíblia. (Foto: Reprodução)

Após o debate entre advogados, a sessão de julgamento do processo de impeachment foi retomada na tarde desta terça-feira (30) com o discurso dos senadores na tribuna. Em sua acalorada mensagem, o senador Magno Malta (PR-ES) citou Deus, Salomão e a Bíblia para justificar seu voto a favor do afastamento da presidente Dilma Rousseff.

“A presidente Dilma não está sendo cassada por mim ou nenhum desses outros senadores, mas ela será cassada por Salomão”, disse Malta no início de seu discurso. “Salomão é senador? Tem assento nessa casa? Não, mas Salomão escreveu que a arrogância precede a ruína.”

O senador afirmou que embora o governo de Dilma tenha cometido omissões, sua eleição foi permitida por Deus. “[A eleição], de fato, é fruto da vontade permissiva de Deus. As lambanças que fizeram no escuro — aliás, a Bíblia diz que tudo que é feito no escuro um dia virá a luz — precisavam vir à luz. Foi a eleição dela que permitiu que as lambanças viessem à luz, e tomamos conhecimento de todas elas”, argumentou.

Segundo Malta, no conjunto da obra dos governos petistas, houve inclusão social porque os fundamentos da economia foram dados no governo Fernando Henrique. “Eles [petistas] evocam o conjunto da obra para falar dos bons governos, se esquecendo que a Bíblia diz que um semeia e o outro ceifa”, disse ele.

“Quando falam sobre o conjunto da obra eles falam como se Lula tivesse descoberto o Brasil”, acrescentou o senador. “No conjunto da obra houve inclusão social? Houve. Mas houve porque os fundamentos da economia foram estabelecidos no governo Fernando Henrique”.

Malta lembrou que quando o processo eleitoral foi concluído, em 2014, ele presenciou o discurso do senador Aécio Neves (PSDB-MG). “O então candidato derrotado — para sua própria felicidade — fez um discurso aqui. Daquela cadeira eu disse: 'Vossa excelência não perdeu as eleições, e sim recebeu um livramento da parte de Deus'”.

O senador aproveitou os dez minutos de discurso para questionar os argumentos de defesa da presidente afastada: “O que é não ser golpista? É bater palmas para essa lambança que fizeram com o dinheiro público? As pedaladas fiscais foram feitas não por amor aos pobres, por amor à Minha Casa, Minha Vida ou por amor ao Bolsa Família. Não! Foram para tapar o rombo do BNDES”, afirmou.

Assista ao discurso completo do senador Magno Malta: 

veja também