"Meu doping é Jesus", diz campeã após recorde mundial no atletismo

Após registrar o recorde mundial no atletismo, a etíope Almaz Ayana rebateu as suspeitas de doping iniciadas por sua adversária.

fonte: Guiame, com informações de Globo Esporte

Atualizado: Segunda-feira, 15 Agosto de 2016 as 11:42

Almaz Ayana, da Etiópia, venceu os 10.000m e bateu o recorde mundial. (Foto: Reuters)
Almaz Ayana, da Etiópia, venceu os 10.000m e bateu o recorde mundial. (Foto: Reuters)

O recorde mundial dos 10.000m foi destruído pela etíope Almaz Ayana na primeira disputa de medalha do atletismo nas Olimpíadas, na última sexta-feira (12).

Foi apenas a segunda vez na vida que a atleta disputou a prova mais longa, deixando a menor marca já registrada no esporte: 29m17s45. O recorde anterior, estabelecido pela chinesa Junxia Wang em 1993, era de 29m31s7.

Enquanto o recorde mundial se tornou motivo de comemoração para a atleta, as primeiras discussões sobre doping no atletismo foram iniciadas por uma de suas adversárias. Décima segunda colocada, Sarah Lahti não fez acusações, mas deixou pairando no ar a suspeita de que a campeã não estaria em condições físicas normais.

“Você pode ver só pela expressão facial, ela só corre enquanto as outras dão a vida atrás dela. Não posso dizer que ela não é limpa, mas há alguma dúvida. Não acredito que ela seja 100%. É muito fácil para ela”, disse a sueca ao jornal Expressen.

Almaz não gostou das críticas e aproveitou entregar a Deus o crédito de sua vitória. “Em primeiro lugar, fiz meu treino baseado em 5.000m e 10.000m. Número dois, eu agradeço a Deus. O Senhor me dá tudo, [me dá] todas as minhas bênçãos”, disse ela.

“Meu doping é meu treino, meu doping é Jesus. Caso contrário, nada. Eu estou limpa”, esclarece a atleta.

“Meu plano era fazer uma boa corrida, mas, felizmente, tenho recorde mundial. Isso é fantástico para mim”, completou Almaz. “Outra coisa foi correr com minha antecessora (Tirunesh) Dibaba, que me deu coragem e energia para pegar essa oportunidade.”

veja também