Novas regras do Twitter podem frustrar propaganda do Estado Islâmico

A partir de agora, a empresa irá proibir a "conduta odiosa" e apagar as contas que promovem a violência contra grupos específicos.

fonte: Guiame, com informações de Religion News Service

Atualizado: Quinta-feira, 31 Dezembro de 2015 as 11

O Estado Islâmico operou operou, pelo menos, 46.000 contas. (Foto: Reprodução/Spectator)
O Estado Islâmico operou operou, pelo menos, 46.000 contas. (Foto: Reprodução/Spectator)

O Twitter, um dos principais meios de propagação das mensagens de terrorismo do grupo Estado Islâmico, divulgou nesta terça-feira (29) as alterações nas políticas de conteúdo dos usuários.

A partir de agora, a empresa irá proibir a "conduta odiosa" e apagar as contas que promovem a violência contra grupos específicos.

O anúncio foi feito depois de uma crescente onda de críticas contra a empresa, que não estava fazendo o suficiente para impedir o uso do Twitter para propaganda do Estado Islâmico.

"Como sempre, nós abraçamos e incentivamos a diversidade de opiniões e crenças, mas vamos continuar tomando medidas sobre as contas que cruzam a linha do abuso", disse Megan Cristina, diretora de Confiança e Segurança.

As novas regras não mencionam o Estado Islâmico ou qualquer outro grupo pelo nome.

"Você não pode promover a violência, atacar ou ameaçar outras pessoas com base na raça, etnia, nacionalidade, orientação sexual, gênero, identidade de gênero, filiação religiosa, idade, deficiência ou doença", disse a empresa.

Anteriormente, o Twitter publicou um aviso mais genérico que proibia os usuários de ameaçarem ou promoverem a "violência contra os outros."

De acordo com o Instituto Brookings, o grupo militante operou, pelo menos, 46.000 contas de setembro a dezembro do ano passado.

 

veja também