Papa Francisco diz que pretende reformar a "burocracia doente" da Igreja Católica

Em seu discurso proferido na última segunda-feira (21), durante a Cúria, o líder voltou a fazer menção aos escândalos de corrupção que têm surgido no ambiente da Igreja Católica.

fonte: Guiame, com informações do Christian Today

Atualizado: Terça-feira, 22 Dezembro de 2015 as 10:44

O papa Franciscoco disse aos administradores do Vaticano na última segunda-feira (21) que tem a intenção de avançar "com firme determinação" para limpar a burocracia da Igreja (católica), enquanto a instituição tem sido abalada por escândalos e acusações de ganância e corrupção.

Em cumprimentos tradicionais de Natal à Cúria, a administração central do Vaticano, o líder maior da igreja católica profesiu o seu discurso sentado, em razão de uma gripe e desculpou-se por não conseguir ler em pé.

Como foi no ano passado, o seu discurso foi dominado por suas intenções de livrar a Igreja da burocracia e das "doenças espirituais" do Vaticano - uma referência a supostas práticas de corrupção entre os altos administradores - apesar da resistência na hierarquia da Igreja.

"Parece necessário indicar o que foi, e sempre será, o objeto de reflexão sincera e disposições decisivas. A reforma vai avançar com determinação, clareza e resolução firme", disse ele.

Durante o mesmo encontro, realizado no ano passado, ele emitiu uma crítica pungente da Cúria, listando um catálogo de "doenças" na burocracia, incluindo carreirismo, intrigas e ganância, que lhes tinham infectado com um tipo de "Mal de Alzheimer Espiritual".

Voltando ao tema na última segunda-feira (21), ele disse: "Algumas destas doenças tornaram-se evidentes no decurso do ano passado, que provocam dores nada pequenas para todo o corpo e prejudicam muitas almas, mesmo com escândalos".

Esta foi uma aparente referência a um julgamento em curso no Vaticano, onde cinco pessoas, incluindo dois membros da Cúria e dois jornalistas, são acusados de roubo de documentos papais confidenciais.

Os vazamentos foram a base de dois livros publicados no mês passado que representavam um Vaticano assolado pela ganância e corrupção e onde o papa enfrenta dura resistência à sua agenda de reformas.

Franciscoco notou casos "de resistência, dificuldades e falhas" por parte de alguns funcionários da Cúria, os quais se opõem às suas reformas.

O papa ainda fez uma "piada" sobre o fato de alguns na Cúria ainda precisarem de "antibióticos Curiais" e acrescentou que "doenças e até mesmo escândalos não podem obscurecer" o bom trabalho que muitos deles fazem pelos os 1,2 bilhão de membros da Igreja.

Em um discurso separado para os funcionários não-clericais do Vaticano e suas famílias, Franciscoco pediu "perdão pelos escândalos têm surgido no Vaticano, especialmente nos últimos tempos" e pediu-lhes que orassem por aqueles que tinham "cometido falhas".

Pouco depois de sua eleição, há dois anos, Francisco partiu para reformar o dominada pelo italiano Cúria, cuja luta pelo poder e vazamentos foram amplamente responsabilizada por decisão de Bento XVI em 2013 para se tornar o primeiro papa em seis séculos para se demitir.

Francisco, o primeiro papa não-europeu em 1.300 anos, recusou muitas das regalias do escritório e deixou claro sua determinação em fazer com que a hierarquia da Igreja ficasse mais próxima dos pobres.

Mas enquanto ele renunciou os espaçosos apartamentos papais no Palácio Apostólico, alguns funcionários têm enfrentado críticas, incluindo o ex-secretário de Estado, cardeal Tarcisio Bertone sobre a restauração de um apartamento luxuoso para aposentadoria.

Bertone, um italiano que foi amplamente responsabilizado pelos problemas da Cúria sob a direção do Papa Bento XVI, ofereceu-se no fim de semana para pagar 150.000 euros (US $ 162.990) a um hospital infantil filiado à Igreja, o que ajudaria a pagar as dispensiosas reformas do local.

veja também