Peça que apresenta Jesus como um transgênero será apresentada na Irlanda do Norte

Apresentada pela atriz e escritora Jo Clifford, a peça já havia gerado polêmica anos atrás, na Escócia.

fonte: Guiame, com informações do Christian Post

Atualizado: Sexta-feira, 13 Novembro de 2015 as 4:19

A controversa peça que coloca Jesus Cristo como um transgênero e 'reconta' histórias bíblicas conhecidas está programada para ser exibida em Belfast, na Irlanda do Norte.

"O Evangelho Segundo Jesus, Rainha do Céu" - como a produção é intitulada - está prevista para ser apresentada em 15 de novembro, no 'Outburst Queer Arts Festival', em Belfast. Seu criador, que se identifica como uma mulher transgênero 'cristã praticante', diz que a peça recria histórias bíblicas com uma "inclinação diferente".

"A peça imagina um Jesus transgênero, voltando para o mundo de hoje", explicou Jo Clifford, de acordo com a BBC News. "Ela lança um sermão e conta algumas histórias muito familiares do Evangelho".

"Ela tem uma comunhão, e promove a interatividade, envolvendo pão e vinho com o público, que é realmente um gesto de solidariedade em face da morte, e ela dá uma bênção. Então, é um show muito intimista muito importante", acrescentou Clifford.

Uma visualização da peça no site festival Outburst a cita como um "ritual estranho revolucionário em que o pão é compartilhado, o vinho é bebido e histórias familiares são re-imaginadas por um Jesus transgênero".

A produção causou controvérsia considerável, quando foi encenada em 2009, com cerca de 300 manifestantes, expressando seu repúdio à peça, sob a luz de velas, fora de um teatro em Glasgow, na Escócia.

Os manifestantes cantavam hinos e carregavam cartazes com a mensagens, como: "Jesus, Rei dos Reis, Não Rainha do Céu" e "Deus: Meu filho não é um pervertido".

O pastor Jack Bell, da Igreja Batista Zion, em Glasgow, disse durante o protesto de 2009, que uma peça teatral não ousaria usar figuras islâmicas da mesma forma.

"Se esta peça tiivesse tratado o profeta Maomé da mesma forma não teria havido uma forte reação da comunidade islâmica. Mas a peça simplesmente não iria acontecer".

"Você não pode blasfemar contra Deus e usar a liberdade de expressão como uma desculpa para isso", disse Bell em 2009. "O verdadeiro cristianismo bíblico está sendo marginalizado através de correção política".

Clifford argumentou que a crítica é proveniente de pessoas que nunca realmente viram a peça e só assumem que seria ofensivo à Igreja.

"Como um cristão praticante, eu não tenho nenhum interesse em atacar a Igreja, zombar da Igreja ou em qualquer forma, ser blasfemo ou ofensivo", disse o escritor.

"Eu simplesmente quero afirmar muito fortemente, tão fortemente quanto eu puder, que Jesus dos Evangelhos, de forma alguma desejaria atacar ou denegrir as pessoas como eu".

veja também