Permitir que crianças frequentem cultos viola os direitos humanos, diz ONU

O controverso relatório da ONU no Reino Unido também expressa "preocupação" por alunos que são obrigados a participar atos religiosos coletivos nas escolas.

fonte: Guiame, com informações de CBN News

Atualizado: Quinta-feira, 30 Junho de 2016 as 4:30

Fazer com que crianças frequentem cultos religiosos pode ser considerado uma violação dos direitos humanos, de acordo com a ONU. (Foto: Reprodução)
Fazer com que crianças frequentem cultos religiosos pode ser considerado uma violação dos direitos humanos, de acordo com a ONU. (Foto: Reprodução)

Fazer com que crianças frequentem cultos religiosos pode ser considerado uma violação dos direitos humanos, de acordo com o Comitê sobre Direitos da Criança da Organização das Nações Unidas (ONU).

Segundo o Christian Institute, o controverso relatório da ONU no Reino Unido também expressa "preocupação" por alunos que são obrigados a participar atos religiosos coletivos nas escolas, alegando que isso deve fazer parte "de um caráter amplamente cristão".

Integrantes do comitê recomendaram que o governo "revogue as disposições legais para a frequência obrigatória na adoração coletiva [nas escolas]". O grupo também quer que as crianças sejam capazes de fazer escolhas de forma independente de seus pais.

David Burrowes, um parlamentar britânico conservador, afirmou que um relatório como este deve ser jogado no lixo. "O ato de adoração coletiva não é um exercício de doutrinação. Serve para reconhecer e respeitar a herança cristã do país, e dar às pessoas uma oportunidade para refletir", disse ele.

"A ONU deveria passar mais tempo fazendo o seu principal trabalho de prevenção da guerra e do genocídio, em vez de cutucar o nariz de outros países nas salas de aula", acrescentou Burrowes.

O relatório da ONU aborda, em 150 recomendações, as acusações contra a Grã-Bretanha, indicando violações dos Direitos da Criança. Dentre elas está um argumento que vai contra a liberdade dos pais de castigar seus filhos.

veja também