Perseguição Religiosa ganha atenção no governo com nova Frente Parlamentar

Será lançada a Frente Parlamentar Mista para Refugiados e Ajuda Humanitária, conduzida pelo pastor e secretário de Turismo do Estado de São Paulo, Roberto de Lucena.

fonte: Guiame

Atualizado: Segunda-feira, 16 Março de 2015 as 1:24

A Frente Parlamentar em Defesa dos Direitos Religiosos será dirigida pelo pastor e secretário de Turismo do Estado de São Paulo, Roberto de Lucena.
A Frente Parlamentar em Defesa dos Direitos Religiosos será dirigida pelo pastor e secretário de Turismo do Estado de São Paulo, Roberto de Lucena.

 

Diante do massacre de cristãos em todo o mundo, atuantes do governo brasileiro estão não apenas lamentando, mas tomando medidas. Em Brasília, na próxima terça-feira (17), será lançada a Frente Parlamentar Mista para Refugiados e Ajuda Humanitária, conduzida pelo pastor e secretário de Turismo do Estado de São Paulo, Roberto de Lucena.

O objetivo desta frente parlamentar mista, que apoia aos refugiados e ajuda humanitária, é defender a liberdade religiosa no mundo. Neste dia, parlamentares internacionais serão recebidos por Lucena – que participou junto a estes governantes na fundação de uma coalisão internacional em defesa da liberdade religiosa.

“O lançamento da Frente acontece em um momento singular, em que está acirrado no mundo o ódio à diversidade, à pluralidade e à religiosidade. Nós temos, em várias parte do mundo, milhares de pessoas sendo perseguidas e mortas por causa de sua fé”, explica Roberto de Lucena com exclusividade ao GUIAME.

O cenário justifica, nitidamente, a necessidade de comoção do governo em relação ao povo massacrado por sua fé. “Um dado recente da Missão Portas Abertas aponta que 100 mil cristãos são mortos nos diversos países do mundo por causa da sua fé em Jesus Cristo. Recentemente, o mundo foi chocado com cenas abruptas, desumanas e irascíveis, onde o Estado Islâmico penalizou com morte algumas pessoas pelo crime de serem o povo da cruz. O Brasil e o mundo precisam se levantar contra isso, não estamos diante de uma situação que possa ser desconsiderada”, disse Lucena.

“No século passado, entre a década de 40 e 50, se o mundo tivesse reagido, 6 milhões de irmãos judeus não teriam sido eliminados nas câmaras de gás e nos campos de concentração de Hitler. Por isso é preciso que o governo brasileiro se manifeste oficialmente, radicalmente contrário a esses movimentos de desrespeito aos direitos humanos e de perseguição religiosa”, disse o secretário. 

Roberto de Lucena idealizou um projeto de lei na Câmara dos Deputados que autoriza o presidente da república a romper relações diplomáticas e comerciais com países que promovam ou tolerem a perseguição religiosa e desrespeito aos direitos humanos. “Essa Frente chega num momento oportuno. Por isso, além de outras agendas que teremos junto a alguns ministérios, a pasta de turismo e a Embratur, estaremos fazendo a nossa militância em defesa da vida e da família, na Câmara dos Deputados.”

 

 

 

veja também