Polícia do Iraque encontra vala com cerca de 40 corpos e acredita ser obra do Estado Islâmico

Uma postagem feita na página do Facebook da polícia provincial de Ramadi na quarta-feira mostrou o que pareciam ser corpos em diferentes estados de decomposição sendo puxados de uma cova rasa na capital da província de Anbar.

fonte: Guiame, com informações do Christian Today

Atualizado: Quinta-feira, 28 Janeiro de 2016 as 11:06

Autoridades iraquianas descobriram uma vala comum na cidade de Ramadi (província de Anbar), com pelo menos 40 corpos, incluindo mulheres e crianças, aparentemente mortos por insurgentes do Estado Islâmico, quando eles tomaram a cidade em maio, segundo informações da polícia e as autoridades provinciais.

Uma postagem feita na página do Facebook da polícia provincial de Ramadi na quarta-feira mostrou o que pareciam ser corpos em diferentes estados de decomposição sendo puxados de uma cova rasa na capital da província de Anbar, que militares do Iraque recapturaram no mês passado.

O chefe de polícia, major-general Hadi Razij falou sobre a cova no vídeo, e um assessor do governador confirmou que as imagens eram autênticas. O porta-voz do Ministério do Interior, brigadeiro general Saad Maan confirmou os relatórios.

"Nós acreditamos que eles tenham sido os últimos a lutar contra o #DAESH [Estado Islâmico] antes de #Ramadi ser tomada em maio de 2015. A investigação está em curso", disse o governador de Anbar, Sohaib al-Rawi, em um tweet com uma foto de sacos para corpos deitados em uma rua. Daesh é o acrônimo em árabe nomear o para Estado Islâmico, que também é chamado de ISIS ou ISIL na língua inglesa.

O Estado Islâmico invadiu Ramadi no ano passado, enquanto o exército iraquiano abandonava seus postos pela segunda vez em menos de um ano, atrasando os esforços do governo para retardar o avanço dos militantes sunitas ultra-radicais.

Os militares, apoiados por ataques aéreos da coalizão lideradas pelos Estados Unidos, recapturaram a cidade em dezembro, mas a destruição generalizada e explosivos plantados pelos insurgentes em ruas e casas têm impedido os civis de retornar.

Várias valas comuns foram descobertas em áreas retomadas do Estado Islâmico, que impõe restrições rígidas e punições severas sobre os milhões de civis que vivem sob seu controle.

A ONU disse que os militantes são responsáveis ​​por atos que podem constituir crimes de guerra, crimes contra a humanidade e genocídio.

Muhannad Haimour, assessor do governador, disse à Reuters que pelo menos 15 dos corpos, que foram descobertos no bairro central de al-Jamaaiya, eram de agentes da polícia, de acordo com cartões de identificação recuperados no local.

Ele disse que nem todos os corpos foram identificados, mas alguns se pareciam ser de mulheres e crianças das famílias dos policiais.

Haimour disse que o túmulo foi descoberto através de interrogatórios com militantes do Estado islâmico que foram capturados.

Não ficou claro como as vítimas foram mortas, mas o vídeo apareceu para mostrar que alguns deles tinham sido algemados no momento da morte. Haimour disse que havia sinais de tortura e de ferimenos a bala em alguns órgãos, mas que não puderam ser imediatamente confirmados.

Ramadi é a maior cidade tomada pelo Estado Islâmico, uma vez que os insurgentes varreram grande parte da Síria e do Iraque em meados de 2014, declarando um novo califado (governo unificado) e matando ou capturando milhares de pessoas.

veja também