Polícia francesa identifica terceiro homem-bomba de antentado na casa de shows Bataclan

Segundo uma fonte ligada às investigações, Aggad foi identificado no fim de semana, após uma comparação de seu DNA com o de vários integrantes de sua família.

fonte: Guiame, com informações da AFP

Atualizado: Quarta-feira, 9 Dezembro de 2015 as 9:20

Fued Mohamed Aggad
Fued Mohamed Aggad

Fued Mohamed Aggad, um francês de 23 anos foi identificado como o terceiro homem-bomba da casa de espetáculos Bataclan, onde 90 pessoas morreram nos atentados de 13 de novembro em Paris, informaram várias fontes. De acordo com a investigação, o jihadista é natural de Estrasburgo (leste da França) e viajou para a Síria com o irmão e um grupo de amigos no final de 2013. Muitos deles foram detidos em 2014 quando retornaram à França, mas ele permaneceu no país, segundo uma fonte policial.

Segundo uma fonte ligada às investigações, Aggad foi identificado no fim de semana, após uma comparação de seu DNA com o de vários integrantes de sua família. Os outros dois criminosos da casa de espetáculos parisiense já haviam sido identificados: dois jihadistas franceses, originários da periferia de Paris, Omar Ismail Mostefai, 29 anos, e Samy Amimur, 28 anos.

Sete cidadãos de Estrasburgo, com idades entre 23 e 26 anos, foram detidos em maio de 2014 na cidade. A promotoria solicitou em outubro a transferência do caso ao Tribunal Correcional por associação de delinquentes em relação a um ato terrorista.

Entenda o Caso

O grupo viajou em 17 de dezembro de 2013, de avião, de Frankfurt (Alemanha) para Antalya (Turquia) e depois prosseguiu para a Síria, onde dois deles morreram, os irmãos Murad e Yasin Budjelal.

Eles foram alistados por Murad Farès, um homem conhecido como um dos principais recrutadores de jihadistas franceses por meio das redes sociais. Os jovens, que afirmam ter viajado para a Síria em uma missão humanitária, são suspeitos de integrar o Estado Islâmico (EI).

Durante a investigação, eles explicaram ter sentido horror com o que descobriram na síria e retornaram de forma gradual a partir de fevereiro de 2014. Os atentados de Paris deixaram 130 mortos em uma onda de ataques contra o Bataclan, bares, restaurantes e os arredores do Stade de France. Os ataques foram reivindicados pelo EI.

veja também