Rabino Mário Moreno sobre o Ano Novo Judaico: "Por que a igreja não obedece o calendário estabelecido por Deus?"

O rabino afirma que, no geral, a igreja está andando de acordo com os decretos e as leis do mundo. "Por que a igreja, hoje, não se arrepende e começa a obedecer o calendário estabelecido por Deus? Nós estamos obedecendo as festas que a igreja católica obedece. Então, tem benefícios quanto a isso? Eu desconheço", disse ele.

fonte: Guiame, Luana Novaes

Atualizado: Segunda-feira, 14 Setembro de 2015 as 5:13

 


Rabino Mário Moreno durante entrevista ao Guiame.(Foto: Guiame/ Marcos Paulo Corrêa)

 

O pôr do sol deste domingo (13) marcou a virada do ano, de acordo com o calendário judaico. As festas do ano novo bíblico, chamado de Rosh Hashaná, vão até terça-feira (15). Em entrevista exclusiva ao Guiame, o Rabino Mário Moreno explica que esta comemoração marca um período de mudanças tanto para a Igreja como para todo o mundo.
 
Tishrei é o primeiro mês do calendário civil hebraico, mas de acordo com o calendário religioso, este representa o sétimo mês. "Algumas pessoas me perguntam: 'Por que nós vamos para o ano novo no sétimo mês?'. Na realidade, o sete está ligado à plenitude, e o Eterno (Deus) colocou o ano novo no sétimo mês para trazer um período de plenitude para a gente", explica Moreno.
 
"Isso tem um impacto muito grande sobre nós e sobre todo o mundo, porque a unção do ano está mudando a partir de agora", disse o rabino. Moreno inclui o panorama de que, neste mês, o calendário marca três grandes festas: o Rosh Hashaná, no dia 1° de Tishrei (13 de setembro), o Yom Kipur, no 10° dia de Tishrei (23 de setembro) e Sucot, no 15° dia do mês de Tishrei (28 de setembro). 
 
Calendário bíblico x Calendário secular
 
De acordo com a maioria dos países, como Brasil, o ano novo é comemorado à meia-noite do dia 31 de dezembro. No entanto, comemorar o início de um novo ano na data errada e com costumes pagãos - como o uso de roupas brancas - pode trazer más consequências para a igreja.
 
"O ano novo secular está ligado a dois tipos de deuses, um que olha para trás e outro que olha para frente determinando, assim, como vai ser o nosso ano. Dia 31 de dezembro não tem nada a ver com a Bíblia, está relacionado a um culto a demônios. Então, eu quando paro para obedecer a Bíblia, eu estou consciente de que vou fazer aquilo que o Eterno me ordenou e eu vou receber o que está relativo a obediência", explica Moreno.
 
O rabino afirma que, no geral, a igreja está andando de acordo com os decretos e as leis do mundo. "Por que a igreja não para pra obedecer a Bíblia? Por que a igreja, hoje, não se arrepende e começa a obedecer o calendário estabelecido por Deus? Nós estamos obedecendo as festas que a igreja católica obedece. Então, tem benefícios quanto a isso? Eu desconheço", disse ele.
 
Para provar que a virada do ano secular não tem relação com a Bíblia, Moreno ressalta um dos erros da data, que é a comemoração feita à meia-noite. "[De acordo com a Bíblia], o dia começa com a entrada da noite (no pôr do sol), e não à meia-noite, que é a metade da noite. Meia-noite é a hora 'sexta', segundo o calendário bíblico. A hora 'sexta' é a hora do homem", explica.
 
"A única relação de meia noite com a Bíblia é que, a essa hora, houve juízo no Egito com a morte dos primogênitos, e haverá juízo no mundo com o arrebatamento da noiva", ensina o rabino.
 
Confira a entrevista completa:
 

veja também