Reféns libertos do domínio do Estado Islâmico relatam cenas de tortura e mortes

Os homens detalharam como eles eram submetidos a sessões de tortura e também eram forçados a assistir a vídeos de decapitação, que os militantes exibiam em uma tela grande.

fonte: Guiame, com informações do Christian Post

Atualizado: Sexta-feira, 6 Novembro de 2015 as 12:55

Mohammed Abd Ahmed (à direita) e Ahmed Mustafa Mahmoud, dois dos 70 reféns,  resgatados de uma prisão do Estado islâmico durante uma operação conjunta dos EUA e  forças curdas (Foto: Reuters)
Mohammed Abd Ahmed (à direita) e Ahmed Mustafa Mahmoud, dois dos 70 reféns, resgatados de uma prisão do Estado islâmico durante uma operação conjunta dos EUA e forças curdas (Foto: Reuters)

Três reféns que foram libertos no mês passado por forças armadas curdas e dos Estados Unidos, durante uma missão de resgate em uma região dominada pelo Estado islâmico, no norte do Iraque têm proporcionado uma visão detalhada sobre as suas experiências de tortura, semelhantes a outros centenas de milhares que se encontram no 'corredor da morte do Estado Islâmico'.

Agindo com base na informação de que o grupo terrorista estava prestes a executar dezenas de prisioneiros iraquianos, as forças curdas, apoiadas pelas forças de operações especiais, libertaram quase 70 reféns do Estado Islâmico, em uma incursão, ao final de outubro e eram mantidos em uma prisão, perto da cidade iraquiana de Hawija. O sargento do grupo 'Delta Force' acabou morrendo durante essa ação.

Sendo o primeiro soldado americano publicamente conhecido por morrer na luta contra o EI, Wheeler não morreu em vão. A missão poupou as vidas de dezenas de iraquianos, incluindo muitas forças de segurança do Iraque, que seriam abatidas nos dias seguintes .

Durante uma entrevista à Reuters, o ex-policial iraquiano Saad Ali Khalaf explicou que, se as forças de segurança não tivessem aparecido para ajudar, ele teria sido executado no dia seguinte.

Confessando ter informado as forças curdas e iraquianas sobre posições das milícias do Estado Islâmico, Ali explicou que quando os interrogadores tentaram forçar uma confissão dele na prisão, usaram várias táticas de tortura.

Ali se lembra que os terroristas o sufocaram até deixa-lo inconsciente, colocando um saco plástico sobre sua cabeça. Ali contou que depois que ele desmaiou por falta de oxigênio, foi trazido de volta à consciência, porque os militantes aplicaram choques elétricos em seu corpo, continuando a tortura.

Embora a tortura tenha deixado Ali deitado no chão da prisão, ofegante, ele não viu problema algum em suportar a dor física. Mas quando os militantes ameaçaram matar sua família, foi aí que ele sentiu que tinha de confessar.

"Eu confessei tudo", Ali admitiu.

A 32 anos de idade, o soldado foi levado a um juiz, que o condenou à pena de morte. Ali descobriu mais tarde que a sua execução era para ser realizada em 22 de outubro, um dia após as forças especiais o terem libertado. Na alção, outros cinco militantes do EI foram capturados e muitos outros combatentes jihadistas foram mortos.

Ali se lembra de que alguns dias antes de sua execução programada, ouviu uma escavadeira trabalhando para cavar uma vala, próximo à prisão. No dia seguinte, outros quatro presos foram levados para fora e mortos a tiros. Ele se lembra de ter ouvido especificamente 26 tiros. Ele foi, então, informado que sua execução seria no dia seguinte.

O soldado gravou seus últimos desejos em um calendário de orações muçulmano, que endereçou a seu sobrinho. Ele disse a seu sobrinho para cuidar de sua família. Ali também registrou o nome do homem que poderia vingar sua morte.

A Reuters também entrevistou outros reféns, como Ahmed Mahmoud Mustafa, de 31 anos, e Mohammed Abd Ahmed. Os reféns contaram como os homens que o sequestraram os forçavam a orar cinco vezes por dia e ler lições islâmicas, que foram preparados pelo próprio grupo terrorista.

Mustafa explicou que ele foi mantido em uma sala sem janelas, com 38 outros presos.

Os homens detalharam como eles foram forçados a assistir a vídeos de decapitação, que os militantes exibiam em uma tela grande. Mohammed disse que ele mesmo tentou desviar o olhar do vídeo durante uma parte terrível da filmagem acabou sendo punido por isso, levando pancadas na cabeça.

Mustafa e Mohamed disseram que eles tinham experimentado desentendimentos com os militantes já anteriormente à sua detenção em Hawija. Mohammed disse que uma vez foi chicoteado 50 vezes por criticar os militantes. Ele também foi avisado de que se fizesse isso novamente, teria sua língua arrancada.

Mustafa disse que havia sido preso outras quatro vezes antes de sua detenção em Hawija porque um homem com quem ele tinha um problema pessoal mantinha boas ligações com o grupo terrorista.

Ambos foram presos sob acusação ​​de espionagem - outro crime que é punido com a morte segundo a lei 'lei Shariah', usada pelo EI.

Quanto a Mohammed, ele cedeu à tortura e confessou o crime pelo qual foi acusado ele. Ele argumentou que confessando ou não o crime, sua morte era inevitável e viria mais cedo ou mais tarde.

Quando Ahmed foi condenado à morte, os militantes perguntou se ele preferia a ser decapitado pela frente ou por trás do.

"Cabe a vocês", respondeu Ahmed.

Como a execução de Ali estava programa com algumas horas de diferença, na noite do resgate, ele foi até duas horas da manhã chorando, até que ele ouviu o som do helicóptero de resgate. Minutos depois, a porta de seu quarto foi arrombada por soldados, com um rifle M16.

"Não tenha medo, nós viemos para libertá-lo com os americanos", disse Ali citando a fala do soldado curdo que o resgatou.

veja também