Site internacional pode ser processado por vender 'fantasias de refugiados' para o carnaval

O site chegou a cancelar a venda dos trajes, mas isso não impediu que diversos internautas também criticassem a empresa.

fonte: Guiame, com informações do World Bulletin

Atualizado: Terça-feira, 26 Janeiro de 2016 as 11:08

O site - considerado um gigante de vendas online - Amazon pode ser processado após sua filial italiana da empresa anunciar a venda de "trajes de refugiados" para as crianças antes do Carnaval de Veneza.
 
Listados na seção de "fantasias de carnaval", os trajes para meninas e meninos foram marcados como "refugiados de guerra" do período da Primeira e Segunda Guerras Mundiais.

Oliviero Forti, diretor da divisão de imigração da Caritas - uma das maiores instituições de caridade católicas da Itália - denunciou as vendas do traje como "desavergonhadas", considerando que o mundo assiste a cenas de crianças refugiadas, morrendo quase que diariamente, tentando migrar para a Europa.

"A minha crítica não se destina especificamente ao Amazon, mas sim à empresa britânica que está vendendo o traje", disse Forti se referindo à grife "Fancy Me".

"É uma questão de bom gosto e de ter a coragem em determinados momentos para recolher os produtos que já não são mais adequados".

O site chegou a cancelar a venda dos trajes, mas isso não impediu que diversos internautas também criticassem a empresa.

Muitos usuários criticaram os trajes por serem de um tom "insensível" quando as crianças estão morrendo todos os dias na crise em curso na Síria, Iraque diversos outros países na África.


Burcas e terroristas
O site também já havia anunciado a venda de outras fantasias um tanto "polêmicas", como burcas (roupa exigida para as mulheres na lei Sharia) e para os homens, adereços como barba falsa, faixas e armas de brinquedo, possibilitando que "se fantasiassem de terroristas".

veja também