Técnico do Vasco, Jorginho leva sua fé ao futebol: "Acredito no potencial que Deus me deu"

A crença do treinador resgatou a confiança dos jogadores em si mesmos e fez com que a torcida voltasse a acreditar no que parecia impossível.

fonte: Guiame, com informações de Extra

Atualizado: Terça-feira, 8 Dezembro de 2015 as 9:47

A crença do treinador resgatou a confiança dos jogadores em si mesmos. (Foto: Paulo Fernandes/Vasco)
A crença do treinador resgatou a confiança dos jogadores em si mesmos. (Foto: Paulo Fernandes/Vasco)

Jorginho, técnico do Vasco, foi o responsável por levar o time carioca até a última rodada do Campeonato Brasileiro, com chance de escapar do rebaixamento. Esse bom desempenho é resultado da aposta feita em uma de suas principais bases: a fé.

A crença do treinador resgatou a confiança dos jogadores em si mesmos e fez com que a torcida voltasse a acreditar no que parecia impossível. Homem de palavras fortes, Jorginho traz consigo a capacidade de crer que nenhuma causa é perdida — lição que aprendeu na vida.

Antes de completar 10 anos, o treinador perdeu o pai e em seguida, uma irmã. Mais tarde, seu irmão passou a usar drogas e outro se tornou alcoólatra. A superação do drama familiar veio com a fé. 

"No final dos anos 70, entrei no alcoolismo. Jorginho me via chegando em casa quebrando as coisas. Foi assim até 1983, quando eu me firmei com Cristo. Meu irmão viu a transformação. No dia 1º de junho de 1986, ele se firmou também", conta Jayme de Amorim, irmão mais velho de Jorginho, que hoje é pastor da Igreja Internacional da Graça de Deus.

Atleta de Cristo

Jorginho levou para os gramados a mesma fé que ajudou sua família a terem os problemas superados, durante toda sua carreira. Nos tempos de jogador, ele foi um dos principais nomes dos Atletas de Cristo, movimento que começou a ganhar força no futebol brasileiro no início dos anos 90.

Porém, quando começou como treinador, Jorginho passou a ser alvo de críticas por causa de sua crença. No América, em 2006, ele sugeriu que o clube trocasse de mascote e adotasse a águia no lugar do tradicional diabo. Na seleção brasileira, como auxiliar técnico de Dunga, foi acusado de ter promovido cultos religiosos na concentração, o que sempre negou.

"Estamos em um país de liberdade de culto, mas meu irmão sempre soube separar bem as coisas. O que ele não pode é negar seu amor por Cristo", disse o pastor Jayme, em defesa de Jorginho.

Por ser causa de tantas controvérsias, o treinador tem falado menos em religião nas entrevistas. Questionado se a crença na salvação vascaína estaria ligada a sua fé em Deus, ele respondeu: "Acredito no meu trabalho, no potencial que esse Deus criador me deu, de nunca desistir. Tive dois irmãos viciados, perdi três irmãs, nada disso tira minha alegria, minha paz."

veja também