Terrorista do Estado Islâmico arrancou bebê do útero da mãe e o estuprou, no Iraque

Segundo uma ativista iraquiana que hoje vive nos EUA, o fato ocorreu com uma de suas amigas, quando foi capturada pelo Estado Islâmico, ainda grávida.

fonte: Guiame, com informações do Christian Post

Atualizado: Terça-feira, 11 Abril de 2017 as 10:43

Terrorista faz ameaças em vídeo gravado e divulgado pelo próprio Estado Islâmico. (Imagem: Youtube)
Terrorista faz ameaças em vídeo gravado e divulgado pelo próprio Estado Islâmico. (Imagem: Youtube)

Falando na conferência anual 'Women in the World' ('Mulheres no Mundo'), realizada na cidade de Nova York na sexta-feira passada, uma ativista iraquiana dos direitos humanos Yazidi compartilhou horríveis detalhes sobre como uma amiga com quem ela cresceu e sua filha ainda não nascida foram vítimas de militantes islâmicos, quando os terroristas assumiram sua cidade natal em 2014.

A ativista Feryal Pirali, que cresceu em Sinjar, no Iraque, e saiu em 2010, explicou que uma de suas boas amigas permaneceu em Sinjar até o ponto em que sua família percebeu que suas vidas estavam em perigo e decidiu fugir imediatamente antes que os terroristas do Estado Islâmico tomassem a cidade.

Mas considerando que sua amiga estava grávida na época, Pirali explicou que sua amiga não podia acompanhar o ritmo da fuga com os membros de sua família.

"Quando o Estado Islâmico assumiu a nossa cidade, esta família estava tentando fugir. Mas como ela [amiga] estava grávida e não podia correr muito, ela disse à sua família que todos corressem para se salvar e ela andaria lentamente, seguindo-os até o esconderijo deles", explicou Pirali. "Infelizmente, ela não conseguiu".

"Os terroristas do Estado Islâmico a pegaram. Eles abriram sua barriga", disse Pirali enquanto ela indicava uma linha reta em seu estômago com a mão. "Eles a abriram e tiraram sua filha do útero. Então eles a estupraram e fizeram o mesmo com o bebê".

Embora a amiga de Pirali tenha sobrevivido àquele momento macabro, seu bebê acabou não resistindo e morreu.

"O bebê não conseguiu sobreviver", disse ela. "Eles pensaram que ela [mãe] estava morta, então eles a deixaram largada no local do crime. Sua família voltou e a viu exatamente assim, nessa situação".

Pirali, que agora vive em Nebraska (EUA), disse que foi depois de ouvir a história de sua amigo que ela decidiu denunciar as atrocidades que seu povo de origem tem sofrido.

Ela lançou uma petição online pelo site 'Change.org', que foi assinada por cerca de 50.000 pessoas, apelando ao ex-presidente dos Estados Unidos, Barack Obama para ajudar a salvar as mais de 3.200 mulheres e crianças escravizadas pelo Estado Islâmico.

O grupo terrorista tem chocado o mundo, cada vez mais com suas atrocidades e o genocídio contra minorias religiosas no Oriente Médio - o que inclui os cristãos.


Testemunhos
Também participou da discussão na cúpula, Shireen Ibrahim, uma sobrevivente que escapou da escravidão do Estado Islâmico no Monte Sinjar. O depoimento de Ibrahim foi traduzido por Pirali.

Ibrahim lembrou o dia em que o Estado Islâmico assumiu sua cidade e como ela e muitas outras mulheres Yazidi, foram separadas de suas famílias.

"Eles a separaram da família. Foi aí ela disse que ela era casada com seu primo e seu sobrinho era seu filho para que eles não a estuprassem", explicou Pirali. "Ela passou três meses sem comer, sem tomar banho, não bebeu nada... só para não se aproximarem dela".

Ibrahim foi posteriormente transferido para o território do Estado Islâmico na Síria.

"Foi quando eles a enrolaram com um cobertor e eles estavam atirando armas em volta dela e dizendo a ela que eles iriam matá-la", disse Pirali. "Eles estavam dando-lhe alguns remédios, mas ela não sabe dizer por qual razão fizeram isso".

Os terroristas também disseram que não acreditaram em Ibrahim, quando ela disse que ela era casada com seu primo e que seu sobrinho era seu filho. Ibrahim não viu seu primo desde então.

Ibrahim explicou que ela foi comprada e vendida cinco vezes por terroristas do Estado Islâmico por apenas 1 dólar. Ao contrário de muitas outras escravas sexuais Yazidi, Ibrahim conseguiu evitar de ser estuprada.

Em certo momento, Ibrahim tentou escapar do cativeiro do Estado Islâmico. No entanto, ela foi capturada e punida.

"Eles me trouxeram de volta e eles me electrocutaram com aparelhos de choque", disse Ibrahim. "Foi quando eles me deram o remédio também, eles fizeram cada coisa ruim comigo que você poderia entender porque eu fugi".

 

veja também