Tribunal é obrigado a remover bandeira cristã após reclamações de ateus, nos EUA

"É inconstitucional que uma entidade governamental venha a exibir uma bandeira com um símbolo claramente religioso e significado na área de sua propriedade", dizia a carta enviada pelo grupo ateu ao Tribunal, no estado da Geórgia (EUA).

fonte: Guiame, com informações do Christian Post

Atualizado: Terça-feira, 2 Agosto de 2016 as 12:40

A bandeira trazia uma cruz estampada. (Foto: MYSPACE / JAMES STONE)
A bandeira trazia uma cruz estampada. (Foto: MYSPACE / JAMES STONE)

Um tribunal do estado da Geórgia (EUA) acabou removendo uma uma bandeira cristã de sua propriedade, depois de ser denunciado por uma organização ateísta, baseada em Wisconsin.

Os funcionários do tribunal do Condado de Bryan decidiram retirar a bandeira cristã de sua sala do tribunal Superior, na sequência de uma denúncia apresentada pela organização ateísta 'Freedom From Religion Foundation' ('FFRF').

A emissora de notícias 'WJCL' (canal 22) informou recentemente que semanas depois de receber a denúncia, a bandeira foi removida da sala.

"O Chefe de Justiça do Superior Tribunal do Condado de Bryan Robert, Russell III decidiu remover a bandeira", relatou a 'WJCL' na semana passada.

No dia 6 de julho, a advogada da 'FFRF', Elizabeth Cavell enviou uma carta à ecriturária dos Tribunais do Condado de Bryan, Rebecca Crowe, em nome de um residente local, comentando a exibição da bandeira.

Em sua carta à escriturária, Cavell argumentou que o "significado religioso inerente à bandeira cristã, com a cruz na bandeira é inegável".

"É inconstitucional que uma entidade governamental venha a exibir uma bandeira com um símbolo claramente religioso e significado na área de sua propriedade", escreveu Cavell.

"Vocês devem tomar medidas imediatas e remover esta bandeira do tribunal. Por favor, respondam por escrito o mais cedo possível com a garantia de que esta exposição inconstitucional será removida".

Após receber a carta, Crowe encaminhou a correspondência para o procurador do condado, Leamon Holliday, de acordo com o site 'Bryan County News' ('BCN').

"Holliday... disse que a bandeira deve ser removida para evitar possíveis litígios. Crowe disse que a bandeira seria 'relutantemente' removida", informou o 'BCN'.

Segundo o site de notícias, a bandeira estava localizada atrás do banco dos juízes no tribunal e tinha uma cruz na ponta de seu estandarte. Ninguém sabe ao certo há quanto tempo a bandeira estava no tribunal. O tribunal foi construído em 1938

Imagem do interior da sala do tribunal, com a bandeira cristã exposta, antes de ser removida. (Foto: WCLJ)

 

Em um comunicado divulgado quinta-feira passada, a co-presidente da 'FFRF', Anne Laurie Gaylor disse que ela e sua organização "apreciavam que eles finalmente tenham decidido parar de fazer o papel de bandidos constitucionais".

"Bryan County não é um condado cristão, a Geórgia não é um estado cristão e os Estados Unidos é uma nação cristã. A razão e a Constituição prevaleceram", disse Gaylor.

Esta não é a primeira vez que a 'FFRF' envia uma carta de reclamação a um governo local que estava expondo uma bandeira com referências ao cristianismo dentro de um edifício público.

Em novembro do ano passado (2015), a 'FFRF' enviou uma carta de reclamação ao Conselho de Educação do Condado de Unicoi (Tennessee) sobre uma bandeira com uma mensagem cristã, colocada em uma sala de reuniões.

Ao contrário do caso no Condado de Bryan, o Presidente do Conselho de Educação de Unicoi, Tyler Engle disse à mídia local que não tinha planos de removê-la.

"Eu não tenho certeza de quanto tempo a bandeira já tem aqui. Você sabe que não é algo que foi intencionalmente exposto em todas as reuniões. Ela está aqui na sala, mesmo quando não estamos em atividades", disse Engle no ano passado.

"Nosso advogado está analisando cuidadosamente o precedente constitucional e o direito constitucional, bem como a jurisprudência que é citada na carta", acrescentou.

Em janeiro, no entanto, a diretoria da escola votou por unanimidade pela remoção a bandeira religiosa e entregá-la à Associação Ministerial do Condado de Unicoi.

veja também