União Europeia deve fazer acordo para deportar imigrantes ilegais nesta quinta-feira (8)

As reuniões fazem parte dos esforços para implementar um pacote de medidas apresentadas por funcionários da UE ao longo dos últimos seis meses e que esta semana envolveram o início das negociações com a Turquia - lar temporário para mais da metade dos 4 milhões de refugiados sírios.

fonte: Guiame, com informações do Christian Today

Atualizado: Quinta-feira, 8 Outubro de 2015 as 9:41

Atualmente, há mais de 2 milhões de refugiados sírios, apenas na Turquia.
Atualmente, há mais de 2 milhões de refugiados sírios, apenas na Turquia.

Governos da União Europeia estão prontos para entrar em acordo hoje e acelerar as deportações de imigrantes ilegais, entre as centenas de milhares que fogem da guerra no Oriente Médio e tentam ganhar asilo como refugiados nos países da Europa.

Diplomatas dizem que os ministros do Interior se encontraram em Luxemburgo e devem concordar - entre outras coisas - em fazer a detenção de quem possa fugir antes da deportação e exercer mais pressão sobre os países pobres africanos e outros, incluindo medidas como orçamentos de ajuda, para fazê-los aceitar o retorno de cidadãos que tiveram sua entrada recusada na Europa.

À noite, os representantes de cada país serão acompanhados por ministros dos Negócios Estrangeiros da União Europeia e delegações de Estados dos Balcãs, Turquia, Jordânia e Líbano para conversações sobre decorrentes fluxos de migrantes que mergulharam o bloco em crise, dividindo os membros sobre como proteger as fronteiras externas da União e como partilhar a responsabilidade de refugiados de habitação.

As reuniões fazem parte dos esforços para implementar um pacote de medidas apresentadas por funcionários da UE ao longo dos últimos seis meses e que esta semana envolveram o início das negociações com a Turquia - lar temporário para mais da metade dos 4 milhões de refugiados sírios.

A chanceler alemã, Angela Merkel contrariou alguns de seus vizinhos do leste durante os últimos meses, oferecendo uma recepção para mais refugiados sírios, mas deixou claro em um discurso na última quarta-feira (7), que a Europa também poderia fazer mais para deter e expulsar as centenas de milhares de pessoas que chegam à Europa a cada ano ilegalmente em busca de prosperidade.

Ela disse ao Parlamento Europeu que, enquanto oferecer um refúgio seguro para aqueles que fogem da guerra e da perseguição é um dever, a União Europeia deve também reforçar os seus acordos com os países mais pobres "para que aqueles que não têm perspectiva de ficar (como refugiados) sejam realmente levados de volta para seus países de origem".

Agências de refugiados dizem que mais deportações pode liberar espaço para aqueles que realmente estão fugindo da guerra na Síria.

Nos últimos anos, menos de 40% das pessoas cujas solicitações de asilo são rejeitadas acabaram realmente abandonando a União Europeia.


Teste de Implementação
Outros elementos da política de migração da UE incluem a ajuda crescente a refugiados que permanecem no Oriente Médio e procedimentos para a identificação no momento da chegada à Itália e Grécia.

Concordando com Merkel, o presidente francês, François Hollande, pediu à guarda costeira e da guarda de fronteiras da União que reforcem o cerco pelos mares.

Na quarta-feira, a UE posicionou patrulhas navais ao longo da costa da Líbia e adotou formalmente novas regras de compromisso, que destinam-se a atacar as operações de contrabando de pessoas.

Uma das questões mais divisivas para os estados da UE foram os novos programas para realocar os requerentes de asilo dos estados da linha de frente da Itália e da Grécia em torno do bloco. Estados do leste ex-comunista têm sido persistentes em rejeitar a imigração em grande escala.

 

veja também