Ana Nóbrega fala sobre momentos de transição em sua carreira: 'São muitas surpresas'

Em entrevista exclusiva ao Guiame, Ana Nóbrega falou sobre o início de seu ministério, sua passagem no Diante do Trono, os momentos de transição em sua vida e também sobre os novos projetos artísticos e ministeriais.

fonte: Guiame, Luana Novaes

Atualizado: Sexta-feira, 26 Junho de 2015 as 6:10

Ana Nóbrega durante entrevista exclusiva ao Guiame. (Foto: Marcos Paulo Corrêa)

 

Ana Nóbrega é cearense, mas se tornou conhecida no mundo cristão ao fazer parte do ministério mineiro Diante do Trono. Ana foi uma das vocalistas do grupo de louvor liderado por sua xará, Ana Paula Valadão, por cerca de 5 anos. Depois disso, um novo tempo marcado pela carreira solo e um ministério pastoral tem conduzido a cantora a novos ares.

Em entrevista exclusiva ao Guiame, Ana Nóbrega falou sobre o início de seu ministério, sua passagem no Diante do Trono, os momentos de transição em sua vida e também sobre os novos projetos artísticos e ministeriais. Confira:

Em 2007, você gravou de forma independente o CD solo "Jesus, Me Rendo a Ti", e no fim daquele ano ingressou no Centro de Treinamento Ministerial (CTM) do Diante do Trono. Como esse período de formação contribuiu em sua trajetória?

Ana Nóbrega: Aos 12 anos de idade já comecei a liderar o louvor na igreja. Eu sempre fui muito dedicada e apaixonada pela música dentro da igreja. Anos depois, eu conheci o Diante do Trono em um congresso do ministério, e lá Deus falou comigo que um dia eu iria embora para Belo Horizonte – eu só não sabia quando. Então o meu pastor, na época, me disse: "Ana, a gente não tem como abençoar todos os custos do seminário, mas a gente sabe que você tem composições. Grave um CD, e ele será fonte de recursos por onde você for em Minas Gerais. Os irmão vão comprar e vão te abençoar". O primeiro CD veio assim para a minha vida, porque eu nunca quis gravar CD solo. Eu gostava de estar em meio a comunidade, isso sempre me atraiu – foi isso o que eu vi no Diante do Trono, ver todo o povo reunido e o louvor congregacional saindo das quatro paredes da igreja, fluindo por todo o Brasil.

O fato de eu ter vivido tudo o que eu vivi antes de entrar no CTM me ajudou muito. Eu cheguei no CTM, tanto eu como o meu esposo Dvaldo, com uma bagagem e uma mochila com muitas experiências. No CTM, eu posso dizer que eu fui muito trabalhada no meu caráter e no coração. Eu pude ter mais amor pela Palavra de Deus, porque ali nós somos desafiados a amar a Palavra e a extrair dela suas riquezas, e não a ler de qualquer maneira, mas estudar. Não estou querendo dizer que o CTM não me valeu tecnicamente, porque valeu. Mas eu já tinha muitos anos de caminhada e de estudo, já tinha feito conservatório, já tinha estudado instrumentos, e a bagagem dentro da igreja me ensinou muito. Para mim, o forte do CTM realmente foi o trabalho no meu caráter e na minha personalidade, coisas que eu vou levar para toda a vida. Passar pelo CTM foi entender o coração do ministério Diante do Trono: serviço, simplicidade, humildade e ter uma visão além da música – porque a música não é o fim, a música é o instrumento. Estou fora do Diante do Trono, mas eu consigo entender, até hoje, o que move o coração do Diante do Trono.

Ana Nóbrega durante entrevista exclusiva ao Guiame. (Foto: Marcos Paulo Corrêa)

 

Mesmo envolvida no Diante do Trono, você nunca deixou de cuidar de sua carreira solo. Como foi para você conciliar isso?

Ana Nóbrega: Ainda no seminário, no primeiro ano, eu fiz algumas agendas do "Jesus, me Rendo a Ti". Eu tinha o CD e realmente naquele primeiro ano eu precisava dos recursos. É claro que, quando eu falo isso, não quero dizer que quando a gente vai a uma igreja ou vende um só pensando só nos recursos. A nossa motivação quando a gente grava um CD realmente é transmitir o que temos dentro da gente e que pode tocar em muitas vidas. Eu entrei no Diante do Trono no final de 2008 para o início de 2009, e foi muito natural. Não houve um convite formal com uma reunião onde escutei: "Você quer fazer parte do Diante do Trono?". Foi assim: "Você vai estar na sua igreja? Canta com a gente!", "Você vai estar na sua cidade? Canta com a gente!", "Vai ter ensaio, vamos lá conhecer como a gente faz!". Quando a gente percebeu – eu lembro que ficava eu, o Israel e a Roberta pensando: "Será que a gente está no grupo? A gente já cantou com eles tantas vezes". Foi muito engraçado essa entrada para o grupo.

E, a partir desse momento, eu realmente comecei a me dedicar ao Diante do Trono. O "Jesus, me Rendo a Ti" ficou encostado, eu havia entendido que o propósito no qual ele foi criado já havia se cumprido. Eu realmente passei a me dedicar à obra do Diante do Trono, às gravações tanto no Brasil como fora – a Ana tem muitos projetos internacionais –, ao CTM e depois ao ministério de louvor na Lagoinha. Não tinha tempo para fazer outra coisa, o ministério Diante do Trono é muito dinâmico. E também o meu ministério só não era prioridade, eu realmente queria me dedicar ao Diante do Trono. Pra mim realmente era maravilhoso fazer parte do Diante do Trono e estar com aqueles irmãos que antes eu conhecia só de longe.

 


Ana Nóbrega durante entrevista exclusiva ao Guiame. (Foto: Marcos Paulo Corrêa)

 

Depois de sua passagem no Diante do Trono, o álbum "Não Temerei" marcou um novo tempo em sua trajetória. Como foi a repercussão desse CD?

Ana Nóbrega: No DVD "Creio", gravado em Manaus, a Ana me deu a canção "Porque Estás Comigo" para interpretar, que fala do Salmo 91 e também de Isaías 43. Quando o Senhor me conduziu no espontâneo depois da canção e que Ana viu nas edições, ela não sentiu de tirar o espontâneo do DVD, tanto que está lá junto da canção. Ela sentiu que eu estava pronta, que realmente  era um novo tempo que estava começando na minha vida. Por iniciativa dela a gente começou a preparar o CD. Ela perguntou: "Ana, você tem canções? Se você tiver eu quero ouvir". Ela ouviu as composições, me ajudou a corrigir algumas coisas, em toda a bagagem que ela tem. Então nós começamos a gravar o CD que ainda não tinha nome. Depois do repertório pronto, quase já sendo mixado, Deus deu a direção que seria  "Nada Temerei". Fizemos o lançamento na Lagoinha em março de 2013, foi uma bênção. Então, meses depois, como não tinha mais como conciliar a agenda, nós deixamos o Diante do Trono. Um acordo de paz, agora vai cada um para um lado.

Foi um tempo muito especial, ao mesmo tempo que foi um desafio muito grande porque agora  era eu e o Dvaldo sozinhos, não tinha mais aquela estrutura do DT. O Diante do Trono seguiu para um lado e a gente foi desbravar esse meio no Brasil. Embora estivéssemos no Diante do Trono, viajando e conhecendo muita gente, quando você começa uma carreira solo é tudo novo. "Nada Temerei" tem tudo a ver com esse momento, onde você não sabe o que vai acontecer, não sabe as portas que vão se abrir e as que vão se fechar. São muitas surpresas, mas a Palavra do Senhor pra gente é: "Não tenham medo, porque Eu estou com vocês". Eu acredito que com esse CD eu pude mostrar mais da Ana Nóbrega e as pessoas conheceram o meu lado compositora. Tem canções como "Estou Aqui", que marcou a vida de muitas pessoas, e "Para Te Adorar", que eu canto com a Ana Paula Valadão e se tornou um hino no coração de muitos irmãos. Foi um CD que marcou  a nossa história, é o primeiro de muitos que eu creio que Deus tem pra gente.

 

Ana Nóbrega durante entrevista exclusiva ao Guiame. (Foto: Marcos Paulo Corrêa)


Esse ano também foi marcante para você pelo lançamento do "Não Me Deixes Desistir". Todas as composições inéditas foram feitas por você. O que te conduziu às letras marcantes e ao tema do CD?

Ana Nóbrega: Esse CD eu amo muito, primeiro porque eu amo o ao vivo – do clima, das surpresas, dos imprevistos, é diferente de um CD de estúdio. Foi muito especial gravar esse CD e DVD. As mudanças na minha vida não pararam. Eu saí do Diante do Trono, saí da Lagoinha, depois saí de Belo Horizonte e fui para o Rio de Janeiro. Então esse CD marca a minha chegada no Rio, nunca havia passado pela nossa cabeça morar lá. E mesmo tendo encontrado uma igreja maravilhosa, que é a Unidade em Cristo,  amigos, pastores que cuidam da gente com muito amor, foi e tem sido também um desafio. Nós ainda estamos nessa escada, cada tempo um degrau, cada degrau uma experiência, nós estamos ainda aprendendo muito quanto ministério. Deus tem falado muito aos nossos corações. Nessa caminhada cristã, não só quem, como no meu caso, tem um ministério artístico, a gente tem enfrentado muita luta para viver um cristianismo de verdade. Tudo nos leva para porta larga, enquanto nós temos que seguir na porta estreita, que é a porta que nos conduz a salvação.

As músicas surgiram em momentos de mudanças, de crises na fé, traições, decepções, abandono, te tudo o que eu senti durante essa mudança. As letras falam muito de esperança, de olhar para Jesus. Eu lembrei agora de uma canção que diz: "Eu não vou desistir, em meio as lutas e dor eu vou permanecer de pé", que fala de provérbios, quando Salomão diz: "Se no dia da adversidade você se mostra fraco, quão fraca é a sua força". A nossa força a gente sabe que vem de Deus. Esse CD é para todo cristão que enfrenta lutas, o luto, a dor, a fome, o desespero, e até uma depressão, mas que não vai ficar no buraco, vai se levantar para vencer, para trabalhar para o Senhor. Esse CD é muito especial para mim, essa canção "Não Me Deixes Desistir" é um clamor de muitos. Estamos crendo que teremos muitos testemunhos através de quem ouvir essas canções.

 


Ana Nóbrega durante entrevista exclusiva ao Guiame. (Foto: Marcos Paulo Corrêa)


Qual a expectativa para os próximos passos de seu ministério?

Ana Nóbrega: Eu tenho me dedicado muito a igreja. Nós fomos consagrados a pastores há pouco tempo, foi nesse primeiro semestre de 2015. O coração está muito na igreja e no pastoreio as vidas. No caminho para cá eu estava, por Whatsapp mesmo, tentando cuidar, aconselhando. A gente realmente tem uma preocupação muito grande de forjar nesses músicos um perfil de adorador. Eu aconselho a todos do ministério itinerante que não deixem a sua comunidade local, não deixem o convívio da igreja, não deixem de servir na igreja, de ceiar, de participar das festividades. Não deixem de estar perto dos seus pastores e líderes, prestando contas do que a gente vive na estrada.

Outro projeto que tem aquecido o meu coração é a nossa caravana à Israel. Nós estamos levando, esse ano, um grupo de irmãos à Roma, Egito e Israel. Eu fui à Israel pela primeira vez em 2011 com Diante do Trono, não imaginava o que ia encontrar pela frente, e posso dizer que a minha mente se abriu completamente. Ir ali muda a nossa visão sobre as coisas, sobre a Palavra de Deus. Eu fico triste de perceber como tantos irmãos da nossa nação ainda não despertaram para isso. Nós podemos servir a Deus aqui, nos engajar com a obra social aqui e ofertar aqui sim. Mas em algum momento da nossa vida precisamos nos importar com o Oriente Médio, principalmente com Israel, com a história. Começou ali, vai terminar ali, a história gira em torno daquele povo, daquele pedaço de terra que gera esse conflito entre judeus e muçulmanos. Nós, como igreja ocidental que fomos alcançados, enxertados na videira, precisamos declarar para aquele povo: "O Messias já veio, Ele é Jesus, nós O amamos e O encontramos com esse amor". Então é um projeto que eu estou muito dedicada e crendo que nós iremos muitas vezes à Israel. Eu estava alheia a isso, mas hoje o meu coração é aquecido em oração por aqueles irmãos.

Nós temos outros projetos musicais, outros CDs que também queremos fazer ainda esse ano. No segundo semestre eu entro em estúdio para gravar um projeto especial, logo logo vou poder abrir a todos, e dizer também que estamos sonhando com a regravação do "Jesus, Me Rendo a Ti". Muitos querem ouvir as primeiras canções e saber como começou esse ministério. Esse CD não pode ser ignorado, mas eu também creio que ele deve ser trabalhado de uma forma melhor, ele deve ser repaginado, a gente pode melhorar esse CD. Em breve, as pessoas podem esperar que a gente vai trazer o "Jesus, Me Rendo a Ti" bem bonito, bem trabalhado.

 

veja também