“Hoje a adoração é mais voltada para nós do que para Deus”, diz pastor Massao

De acordo com o pastor Massao Suguihara, líder do grupo Adoração & Adoradores, muito do que se produz hoje traz mais impacto ao homem do que a Deus.

fonte: Guiame, Luana Novaes

Atualizado: Terça-feira, 14 Junho de 2016 as 4:31

Pastor Massao Suguihara durante a Conferência de Intercessão e Adoração "O Som da Noiva". (Foto: Guiame/ Marcos Paulo Corrêa)
Pastor Massao Suguihara durante a Conferência de Intercessão e Adoração "O Som da Noiva". (Foto: Guiame/ Marcos Paulo Corrêa)

Ao contrário do que muitos pensam, o conceito de adoração ainda não foi compreendido de forma plena pela igreja evangélica nos dias atuais. De acordo com o pastor Massao Suguihara, líder do grupo Adoração & Adoradores, muito do que se produz hoje traz mais impacto ao homem do que a Deus.

“Muitas vezes, tudo o que nós estamos fazendo aqui é mais uma coisa ‘almática’ do que espiritual. Eu creio que nós precisamos entender um pouco mais o que é a adoração, e que o vai realmente tocar o coração de Deus”, disse ele em entrevista ao Guiame durante a Conferência de Intercessão e Adoração "O Som da Noiva".

“Eu acho que o que a gente faz aqui toca mais o nosso coração do que o coração de Deus. A gente faz uma adoração que é mais voltada para nós… No fundo, é isso o que eu estou entendendo hoje”, acrescenta o líder.

Massao revela que a visão sobre adoração que Deus tem entregue a ele é baseada em uma teologia bíblica fundamentada em dois eixos: compaixão e santidade. “A maior forma de expressar a adoração que Deus espera de nós é por meio da santidade e da compaixão pelas almas”.

“Adoradores que não tem compaixão e não olham para as pessoas carentes, adoradores que estão apenas no palco ‘adorando’ ao Senhor, são adoradores meia boca, porque a espiritualidade genuína tem que ter essa compaixão”, afirma, fazendo referência ao trecho bíblico de Tiago 1:27.

Fazendo novas referências bíblicas, Massao relembra os trechos de Amós 5:21-24, no qual Deus rejeita a adoração e os sacrifícios do povo. “Nós temos uma visão de vida espiritual e adoração ainda muito limitada, porque a maioria dos adoradores estão voltados mais para a parte contemplativa e a parte mais expressiva”, ressalta o pastor.


Pastor Massao Suguihara durante a Conferência "O Som da Noiva". (Foto: Guiame/ Marcos Paulo Corrêa)

O líder ressalta que a música é um instrumento muito importante — mas ela é apenas um instrumento. “Se não houver conteúdo de vida, de santidade, de compaixão, Deus não vai ser tocado por aquilo que a gente canta. Eu creio que a música nos estimula a buscar a Deus, mas sem uma base de compaixão, paixão e santidade, a nossa adoração é vazia.”

Adoração & Adoradores

O Instituto Adoração & Adoradores, conduzido por Massao, trabalha na formação ministerial de líderes e ministros de louvor, sem abordar a parte técnica da música. “Nós focamos mais no caráter, na visão de adoração, na santidade e na estruturação do grupo”, explica o pastor.

O curso, que tem campi espalhados nos estados de São Paulo, Rio de Janeiro e Paraná, é oferecido em dois anos, distribuído em quatro módulos. Outro aspecto da formação é a equipe de professores, formada por pastores e ministros de louvor.

Nomes como Asaph Borba, Paulo César Baruk, Nívea Soares, Ronaldo Bezerra e Teófilo Hayashi estão entre os professores fixos e convidados. “Eles têm uma visão e ensino bem maduros e sólidos. Nossas aulas não são apenas aulas, são ministrações mesmo. Nós não queremos passar conhecimento, queremos passar conteúdo de vida para aqueles que estão participando dos nossos cursos”, avaliou Massao.

veja também