Leonardo Gonçalves no 'Esquenta': "Todo ser humano carrega em si a imagem e semelhança de Deus"

Convidado a participar do programa de TV, o cantor teve a oportunidade de se apresentar com canções, como "Quando Deus Criou Você", "Acredito" e "Sublime" e compartilhou algumas reflexões sobre tolerância e diálogo nos dias atuais.

fonte: Guiame, com informações do Gshow

Atualizado: Domingo, 29 Novembro de 2015 as 5:20

Neste domingo (29), foi ao ar a edição do programa 'Esquenta', com a participação de Leonardo Gonçalves. O cantor e compositor teve a oportunidade se apresentar com algumas de suas canções, como "Quando Deus Criou Você", "Acredito" e "Sublime".

Assim que chamou o cantor ao palco do programa, a apresentadora Regina Casé contou que conheceu Leonardo no casamento do cantor Thiaguinho com a atriz Fernanda Souza e decidiu convidá-lo para participar do 'Esquenta'.


Raízes
Quando questionado sobre o lançamento de um CD em hebraico 'Alvinu Malkenu' (2010), o cantor explicou suas motivações para gravar o trabalho.

"Na verdade, tem a ver com duas coisas. Primeiro, em eu descobrir a minha ascendência judaica. As pessoas que são adventistas do sétimo dia, mas têm ascendência judaica têm um lugar específico, onde podem entrar em contato e manter a sua raiz cultural", relatou.

Leonardo explicou que resolveu levar o seu avô para visitar este local, que apresenta liturgias completamente em hebraico e isto lhes possibilitou lembranças emocionantes de seus ancestrais.


Críticas e discursos
Regina Casé também perguntou ao cantor se ele chegou a ser criticado por gravar um CD completamente em hebraico, ele explicou que na era digital e de mídias sociais, fugir de críticas não é fácil. Mas isto não o desanimou.

"A gente sempre recebe um pouco [de críticas], mas nesta era da internet, em que as críticas chegam muito rápido até nós... Mas este é o tipo de coisa que você não pode ligar muito. Eu, já sendo um cantor adventista e gravando um CD em hebraico, de músicas judaicas, aí falavam coisas como: 'Assume logo que você não é evangélico', '... que você está preso na lei', essas besterinhas assim. Mas a gente não pode levar isso muito a sério", afirmou.

Leonardo ressaltou que de forma geral, o público compreendeu a proposta do trabalho e alertou para a necessidade de que as pessoas estejam mais dispostas a dialogar e se livrar de discursos polarizados.

"De maneira geral, eu fui muito bem aceito. A proposta que a gente teve neste CD em hebraico foi justamente o diálogo inter-religioso e diálogo é diferente de discurso. A gente vive em uma era de muitos discursos, muito polarizados. O mundo está muito polarizado e na minha opinião, está muito chato, existindo cada vez menos diálogo", explicou.

"O diálogo tem a ver com você ouvir o outro e compreender a sua 'outridade'. Me lembro até de uma palavra, de um artigo do Frei Beto, que eu li na faculdade e fala sobre a auteridade, que é a capacidade de olhar o mundo do ponto de vista do outro", destacou.

Continuando com seu raciocínio, Leonardo destacou que o foco deve não deve se manter nas diferenças, mas sim na busca da imagem e semelhança de Deus que há na humanidade.

"Deus não criou apenas os cristãos à Sua imagem e semelhança. Todo ser humano carrega em si a imagem e semelhança de Deus. Então, ao invés da gente ficar focando muito nas diferenças, naquilo que nos separa, a gente pode e deve - isso baseado na Bíblia mesmo - buscar a centelha, a essência divina que há em cada ser humano", frisou.

 

veja também