Marcela Taís: "Deixo meu roteiro frouxo para que Deus tenha a liberdade de escrever"

Confira uma entrevista com a cantora apaixonada por poesia

fonte: guiame.com.br

Atualizado: Segunda-feira, 28 Abril de 2014 as 4:22

Marcela Taís

Formada em letras, Marcela Taís sempre foi apaixonada pelas palavras e pela música. Ela já tentou tocar saxofone, já cantou em coral e já participou até de um quarteto, mas nada foi adiante.

Juntando as duas paixões, Marcela Taís faz o que se pode chamar de poesias cantadas. Suas músicas encantaram o público e hoje ela é conhecida em todo o país.

Em entrevista ao GUIAME, Marcela Taís da inspiração para a poesia, do ministério e do valor feminino. Confira:

GUIAME: Através da música, da poesia, e das publicações que faz nas redes sociais, você se tornou referência para meninas de todo o Brasil. Como é encarar essa responsabilidade?

A responsabilidade é enorme, mas, graças a Deus, eu posso ser natural. Desde o início eu não quis montar um personagem, quis apenas ser a Marcela Tais e fui aceita dessa forma. Eu não saberia ser outra. Minha mãe sempre me ensinou a ter personalidade e ir adiante com meus sonhos. Fico feliz por poder influenciar as meninas da minha geração e levá-las para perto de Deus através de princípios importante que a Bíblia traz e muitas vezes nós, jovens, não entendemos ou então não vivemos. Falo muito de perdão, família e de uma forma divertida. Essa foi a proposta que Deus colocou no meu coração e eu fico muito feliz e honrada por poder falar da pessoa mais especial que existe, que é Deus.

GUIAME: E você escreve poesias desde pequena?

Sim, desde pequena. Meu sonho era ser alfabetizada e quando eu fiz minha primeira redação eu tirei 0 porque a professora achou que eu tinha copiado de um livro infantil, ela não acreditou que era de uma menina que mal sabia escrever. Sempre fui apaixonada pelas palavras. Quando eu era adolescente, me apaixonei por um rapaz e foi engraçado porque foi um amor não correspondido e eu descobri que tinha um amor maravilhoso pelo qual eu poderia me declarar, que é o amor de Deus, e eu senti essa reciprocidade de Deus, algo muito pessoal e íntimo. A partir dos 11 anos eu acabei focando muito em escrever e quis Deus que essas poesias saíssem de dentro do meu quarto e alcançassem outras pessoas.

GUIAME: Há quem diga que todo poeta é também um pouco doido, pois vê em algo aparentemente sem sentido, a inspiração para uma poesia. Você concorda? O que inspira a Marcela Taís?

Às vezes a gente fica com o olhar acostumado e não percebe algumas coisas ao redor. Gosto exatamente de observar as pequenas coisas que são as que me ensinam grandes lições. Jesus falava por parábolas e ele sempre foi criativo na hora de passar um princípio. Jesus usava a simplicidade do cotidiano das pessoas para que elas entendessem o Reino. Eu piro nisso: usar coisas pequenas porque gosto de olhar por ângulos diferentes.

GUIAME: Falando em ministério, o que você ainda almeja realizar?

Eu evito definir porque definir é limitar. Tenho meus planos e projetos, mas não tenho a ideia fixa de ‘tem que ser isso, pronto e acabou’, meu CD chama ‘Cabelo Solto’ porque minha vida é meio solta nas mãos de Deus, faz uma analogia a própria Marcela Taís. Deixo meu roteiro meio frouxo para que Deus tenha a liberdade de escrever, acrescentar, tirar. Vem muita coisa nova por aí, acredito que ainda tem muita gente que pode ser tocada por essa mensagem. Falei pra Deus que minha data de validade está nEle, então não tenho essa fissura de ter que estar no mercado artístico ou coisas do tipo. Deus soprou meu nome e quando Ele quiser, Ele recolhe. Penso em escrever um livro, ir pra uma fazendinha criar meus filhos, quero ter muitos filhos (risos), tenho esse lado bem mulherzinha, mas agora é o momento de estar com a juventude passando minhas experiências. Tenho vivido meu pão de cada dia e estou muito feliz.

GUIAME: Aproveitando o gancho do lado ‘bem mulherzinha’ que você comentou, acredita que há uma inversão de valor nessa nova geração feminina?

Às vezes a galera não sabe interpretar o que a Bíblia diz. Jesus deu muito valor à mulher, Ele veio e deu atenção e valor a uma mulher desprezada: Maria Madalena. A galera pensa que submissão é estar debaixo do pé, mas significa estar sob a missão do homem. As mulheres querem rótulos e querem provar ‘eu sou, eu sou consigo’ e não precisa disso. Eu não gosto de rótulos e acredito que a mulher perde muito com isso. Hoje o homem não sabe mais se abre a porta do carro pra gente, e isso não é sinônimo de fraqueza da mulher, é sinônimo de cavalheirismo do homem. A mulher tem a força dela, mas tem uma parte que Deus fez para ser frágil e se a mulher foge disso fica desencaixada e incompleta. A mulher já alcançou o que precisava alcançar, não precisa mais provar nada.

 

 por Juliana Simioni
GUIAME.COM.BR

veja também