MENU

Em comício de Marina Silva, filho de Eduardo Campos faz seu primeiro discurso político

João, de 20 anos, pediu votos para Marina ao lado da mãe, Renata, e evocou costumes do pai em palanques

fonte: O GLOBO

Atualizado: Terça-feira, 30 Setembro de 2014 as 11:54

Candidata do PSB à Presidência, Marina Silva evocou, em comício no Recife na noite desta segunda-feira, o legado de Eduardo Campos (PSB), e recebeu o apoio da família do ex-governador de Pernambuco em seu palanque, que vem chamando atenção na reta final da campanha por pedir votos pela 'honra' de Campos. Ao lado de Marina, o filho mais velho de Eduardo, João Campos, fez seu primeiro discurso político na capital pernambucana. O jovem de 20 anos destacou a postura de liderança do pai e lembrou o bisavô Miguel Arraes. Depois de participar de eventos no interior com o deputado federal Raul Henry (PMDB-PE), candidato a vice-governador na chapa montada por Campos, João era aguardado com a família no Recife. Ele chegou aparentando nervoso ao comício, que começou com mais de uma hora de atraso.

O jovem estava com os irmãos Maria Eduarda (22), Pedro (18) e José (9) e a mãe, Renata Campos, considerada uma influência nas decisões políticas do marido. Renata, também ativa na campanha, ficou abraçada a José durante boa parte do ato, enquanto recebia muitos cumprimentos de Marina e do candidato a vice na sua chapa, Beto Albuquerque.

— É uma grande mulher que liderou com Eduardo o projeto para este estado — afirmou a candidata, sobre a viúva Renata.

O primeiro discurso de João Campos, que começou lembrando o acidente que matou seu pai, foi concluído com palavras que costumavam ser ditas por Campos nas suas campanhas: "É paz, amor e vitória!". A fala do jovem foi aprovada pela mãe, que sinalizou com o polegar após um abraço e um sorriso, e por João Lyra, que sucedeu Campos no Governo de Pernambuco.

— Tive a alegria de ver este jovem João mostrando que a boa árvore deixa sementes prontas para brotar — disse, Marina Silva, sobre o herdeiro político do aliado.

Citando Nelson Mandela, Gandhi e Martin Luther King, Marina Silva reafirmou que agirá “com tranquilidade” frente aos ataques dos adversários. A candidata se disse 'pequena' em relação à presidente Dilma Rousseff (PT), já que a diferença entre o tempo das duas no horário eleitoral é de quase 10 minutos, e afirmou ser alvo de calúnia.

Em discurso de meia hora, Marina voltou a defender que o fato de ser evangélica não interfere na sua vida pública.

— Ninguém nunca me viu instrumentalizando a minha fé — afirmou — Em 16 anos no Senado, você nunca vai me ver fazendo qualquer coisa que desrespeite os direitos humanos, que promova o preconceito, que faça qualquer coisa nessa direção. Temos que respeitar as pessoas independente da cor, independente do credo, independente da posição social, se crê ou se não crê, da orientação social.

O vice de Marina, Beto Albuquerque atacou Dilma Rousseff (PT), dizendo que ela “acha que pesquisa ganha eleição”

— Vocês chegaram a acordar a Dilma com essa força. Ela já estava dormindo, acreditando nas pesquisas. Ela acha que pesquisa ganha eleição.

 

veja também