MENU

Em debate, Dilma e Aécio mantém ataques

Tom agressivo repetiu o do primeiro confronto do segundo turno, na terça. Debate foi transmitido pelo SBT e organizado por UOL e rádio Jovem Pan.

fonte: Globo.com

Atualizado: Sexta-feira, 17 Outubro de 2014 as 8:18

Os candidatos Aécio Neves (PSDB) e Dilma Rousseff (PT) voltaram a trocar agressões verbais nesta quinta-feira (16) no segundo debate entre presidenciáveis do segundo turno, transmitido pelo SBT e também organizado pelo portal UOL e pela rádio Jovem Pan. O tom foi semelhante ao do debate anterior, na última terça-feira, em que ambos se atacaram mutuamente. O G1 acompanhou em tempo real.

No debate desta quinta, o presidenciável tucano disse em várias passagens que Dilma "mente" e que a campanha dela produz ofensas contras os adversários. "Quem mente é o senhor", respondia a presidente, candidata à reeleição, que após o debate sentiu um mal estar e teve de interromper uma entrevista.

Em um dos momentos mais tensos do debate, os candidatos trocaram acusações devido ao emprego de irmãos no serviço público. Dilma questionou o fato de a irmã de Aécio, Andreia, ter atuado no governo de Minas Gerais na época em que ele foi governador. "Ela era responsável pela gestão das verbas em todas as questões relativas a propaganda", afirmou a petista, que, a exemplo do debate anterior. destacou que o rival também empregou tia, tio e três primos no governo mineiro.

Aécio reagiu dizendo que a irmã assumiu o serviço de voluntariado de Minas Gerais, trabalhando sem remuneração, e fez referência ao irmão de Dilma, Igor Rousseff. "A senhora conhece o sr. Igor Rousseff? Seu irmão foi nomeado pelo prefeito Fernando Pimentel [do PT, que governou Belo Horizonte entre 2002 e 2009] e nunca apareceu para trabalhar. A diferença é que a minha irmã trabalha muito e não recebe nada. O seu irmão recebe e não trabalha", respondeu o tucano.

Os candidatos começaram a atingir um ao outro logo na abertura do debate, quando responderam à pergunta "Por que quer ser presidente da República?"

Aécio iniciou, dizendo que é candidato "para encerrar um ciclo de governo que fracassou". Disse que a educação e a saúde pioraram e que o Brasil é um "cemitério de obras inacabadas". Dilma devolveu afirmando que é candidata de um projeto contra a "exclusão", referindo-se aos governos do PSDB. "Faço parte de um projeto que construiu as bases para um Brasil moderno, mais inclusivo, mais produtivo", declarou.

No debate, os dois voltaram a discutir sobre corrupção na Petrobras. Na primeira pergunta que formulou, Aécio Neves mencionou uma auditoria do Tribunal de Contas da União (TCU) e apontou irregularidades de R$ 18 bilhões na construção do Complexo Petroquímico do Rio de Janeiro (Comperj). Dilma afirmou que a diferença entre os dois é que ela manda investigar. "Onde estão os corruptos da compra de votos para a reeleição, do metrô de São Paulo, do Sivam, da privataria tucana? Todos soltos", disse, em referência a casos que envolveram integrantes do PSDB.

Aécio reagiu: "Onde estão os corruptos do seu partido? Estão presos", disse, em referência a petistas condenados no julgamento do mensalão. Ele disse que falava de denúncias "de agora". "Não é possível que a senhora não se sinta responsável. Ou foi conivente ou incompetente", declarou.

A petista citou denúncia de que o ex-diretor da Petrobras Paulo Roberto Costa, em depoimento ao Ministério Público, teria afirmado que deu propina ao ex-presidente do PSDB Sérgio Guerra – que já morreu – para esvaziar uma Comissão Parlamentar de Inquérito destinada a investigar a Petrobras em 2009.

Na resposta, Aécio disse que, pela primeira, vez a presidente reconheceu denúncias de Paulo Roberto Costa, que fez acordo de delação premiada e, em troca de prisão domiciliar, passou a colaborar com a Justiça nas investigações sobre corrupção na Petrobras. "Se a sra. não tem receio, por que seu partido impediu que o sr. Vaccari fosse à CPI"?, disse Aécio, referindo-se ao tesoureiro do PT, que, segundo depoimentos de Costa, também se beneficiou de propinas de contratos na estatal.

Dilma declarou que Aécio tem "dois pesos e duas medidas" e prometeu que investigará "sem constrangimento tudo e todos". O tucano também defendeu a investigação de "todos" e criticou o que chamou de tentativa do Planalto de impedir o funcionamento da CPI da Petrobras.

No primeiro bloco, Aécio levantou o tema inflação, questionando Dilma sobre medidas que ela pretende tomar para controlar os preços dos produtos. A presidente disse ter "certeza" de que a inflação está “sob controle” e afirmou que há “choques de oferta” de energia e de alimentos por causa da seca. Aproveitou para criticar o desabastecimento de água em São Paulo, estado governado pelo PSDB. O tucano replicou e disse que Dilma "não tem nenhuma solução" para enfrentar a alta de preços. "Você compra com o mesmo dinheiro hoje o que comprava seis meses atrás?", questionou o candidato. A petista afirmou que o PSDB entregou o governo com mais de 11,4 milhões de desempregados e disse que não combaterá a inflação “com métodos de arrochar salário, desempregar e não investir".

Noutro momento, Dilma questionou o tucano sobre a importância de se realizar o teste do bafômetro. "Eu tive um episódio em que parei numa blitz da Lei Seca com a licença vencida e não fiz o exame. Me arrependi disso", respondeu o tucano. Para a petista, o assunto da Lei Seca tem que ser tratado "com mais cuidado". "Eu não dirijo sob efeito de álcool ou droga", afirmou a petista. "Seja correta, seja séria. Mentir e insinuar ofensas como essa é indigno para uma presidente da República", afirmou.

Aécio perguntou se a candidata "mente tanto" porque não tem "nada a apresentar". Dilma afirmou que a gestão do tucano em Minas deixou de investir R$ 7,8 bilhões na saúde e R$ 8 bilhões na educação. "Como o senhor acha que pode se sentar aqui e se furtar a explicar porque teve que assinar um termo de ajustamento de gestão?", questionou a petista. Aécio disse que Dilma desrespeita Minas e elogiou a gestão da saúde e da educação no estado. Disse que o Tribunal de Contas aprovou as contas do governo dele por unanimidade. Dilma afirmou que Minas não se confunde com Aécio e que nasceu no estado antes dele. "Eu nasci em Minas, saí de Minas não fui para passear no Rio de Janeiro", afirmou.

A exemplo do debate anterior, Dilma voltou a indagar o rival sobre a construção de um aeroporto no município de Claudio (MG), em uma fazenda que pertenceu ao tio do tucano. "Uma das coisas mais importantes do país é que não podemos tolerar uso de bens públicos para beneficiar A, B ou C", declarou. Aécio afirmou que é "muito triste ver uma presidente da República mentindo" e cobrou a entrega de aeroportos prometidos pela petista na Presidência.

Considerações finais
Nas considerações finais, Dilma afirmou que os governos passados "só viam as elites", mas que a gestão dela "olha para todos os brasileiros". Disse que o Brasil enfrentou a crise internacional "de peito aberto" e prometeu saúde e educação de qualidade e manter a "trajetória de conquistas sociais a todos".

O tucano afirmou que quer ser presidente porque, segundo ele, o Brasil "não pode viver mais quatro anos de tanto desgoverno". Ele disse que não quer dividir, mas ser presidente da "integração nacional" e afirmou que não tratará "o adversário como inimigo a ser batido a qualquer custo" e em favor da "verdade".





veja também