MENU

Lobão e artistas se dizem perseguidos por "ditadura" do PT

Encabeçado pelo músico Lobão, evento de apoio ao candidato tucano Aécio Neves resgatou discurso do medo eternizado pela atriz Regina Duarte na campanha eleitoral de 2002

fonte: Terra.com

Atualizado: Terça-feira, 14 Outubro de 2014 as 9:11

“Atmosfera stalinista”, “golpe comunista”, “espectro bolivariano”. Em 30 minutos de entrevista, o músico Lobão usou essas e outras expressões para se referir ao atual cenário político do Brasil. Crítico da presidente Dilma Rousseff (PT), Lobão disse que “nunca votou no PSDB”, mas, agora, resolveu manifestar seu apoio à candidatura do presidenciável tucano Aécio Neves.

“Neste momento nós estamos vivendo uma ditadura, sem nenhum tipo de hipérbole. Estamos sendo muito cerceados na nossa liberdade”, disse Lobão a uma plateia esvaziada do Teatro Frei Caneca, em São Paulo. Assim como em 2010, o músico - que já havia lembrado do episódio que deu início à ditadura militar no País como “Revolução de 64” e minimizado a repressão do perído ditatorial ai afirmar que os torturadores apenas "arrancavam umas unhazinhas" - disse que não votou em ninguém no primeiro turno destas eleições. “Não saí de casa.”

“O povo brasileiro está descrente. Todos os dias eu vejo gente dizendo que quer se mudar para Miami. Acho que nós deveríamos ficar aqui e dar as passagens para o Lula e para a Dilma. Eles vão, a gente fica”, afirmou o ator Fulvio Stefanini em discurso ao mesmo público. “Mas que seja para Cuba, não para Miami!”, gritavam da plateia.

“Se eu contar para vocês tudo o que eu já passei por ser contra (o PT). Já me disseram: ‘se você votar no Aécio, ele vai privatizar até o seu c...’ E eu respondi: ‘mas ele sempre foi privado’”, continuava a atriz Lúcia Veríssimo, arrancando risos da plateia. “Eu estou sendo perseguida. Não gostaria mais de ter esse medo que eu estou tendo.”

E foi assim que o discurso do medo em relação ao PT – eternizado em 2002 pela atriz Regina Duarte em propaganda eleitoral do então candidato do PSDB à Presidência, José Serra – foi resgatado por artistas pró-Aécio em ato na noite desta segunda-feira. Na plateia, a ausência da própria Regina Duarte, que havia confirmado presença, assim como os atores Lima Duarte e Irene Ravache.

Embora tenha dito que é perseguida, Lúcia Veríssimo não revelou quem seria o autor da perseguição. “Vocês acham que eu sou louca? Não vou falar. Estou dizendo que tenho medo”, disse. Então existe mesmo essa polarização na classe artística, Lúcia? “Não posso dizer pelos outros, posso dizer por mim”, encerrou a atriz.

Já Lobão, que disse que tem sofrido ameaças de morte por suas críticas ao PT, negou que tenha medo. “Eu não tenho medo, eu sou o Lobão”, disse. Então por que você vai sair do País se a Dilma ganhar, Lobão? “Eu não tenho medo, mas eu tenho c... Pô, qual é? O País está numa decadência terrível, você acha que eu vou ficar aqui dando sopa? Eu não tenho medo de enfrentar. Mas eu posso levar uma emboscada, alguém pode entrar na minha casa e me incendiar. Uma coisa é você não ter medo, outra coisa é você ser imprudente”, disse o músico, que voltou a se comprometer a deixar o Brasil caso a presidente Dilma seja reeleita.

Fim da meia-entrada
“Se tivesse no segundo turno um partido do satanás e o PT, eu votava no partido do satanás. Nós somos anti, somos contra esse regime atual”, disse Sérgio Dantino, proprietário do Teatro Frei Caneca, que colaborou com o evento organizado por Roberto Mello, presidente da Associação Brasileira de Música e Artes (Abramus). Na pauta do encontro, não faltaram críticas à corrupção e à política cultural, da qual a meia-entrada seria a grande vilã.

“Com o perdão da expressão mais uma vez, mas essa coisa de meia-entrada é o que se chama de gozar com o pau dos outros”, disse Lúcia, criticando o fato de que os 50% da meia-entrada saem do bolso dos artistas.

“A gente não tem um show business que anda pelas próprias pernas por causa da meia-entrada. Nenhum artista fala porque não é popular”, disse Lobão, que ainda criticou a “fábrica de carteirinhas” em que foi transformada a União Nacional dos Estudantes (UNE). “Tendo que ir atrás de um ‘Bolsa Rouanet’, você vira um artista chapa branca. Perde o sentido de subversão do artista”, continuou o músico, que já havia citado Chico Buarque e o grupo de rap Racionais MC’s como artistas chapa branca.

Coronel dá apoio
Os artistas dividiram o palco do teatro com os vereadores tucanos Andreas Matarazzo, Floriano Pesaro e Coronel Telhada, estes dois últimos eleitos deputados estaduais. Telhada, que é ex-comandante da Rota (Rondas Ostensivas Tobias de Aguiar), disse a jornalistas que concorda com a ideia de que vivemos uma ditadura no País.

veja também