MENU

No Rio de Janeiro, segundo turno para o governo será entre Pezão e Crivella

Pezão somou 40,57% dos votos; o candidato do PRB, 20,26%. Segurança foi um tema comum na campanha de ambos.

fonte: Globo.com

Atualizado: Segunda-feira, 6 Outubro de 2014 as 8:16

Em votação acirrada entre o segundo e o terceiro colocados, Marcelo Crivella, do PRB, inverteu o resultado das pesquisas e superou Anthony Garotinho (PR) na disputa por uma vaga no segundo turno da eleição para o governo do Estado do Rio, ao lado de Luiz Fernando Pezão, do PMDB. O resultado só foi confirmado com quase 100% das urnas apuradas, por volta das 20h40 deste domingo (5). No fim da votação, Pezão, governador candidato à reeleição, ficou com 40,57% votos válidos, seguido do senador Crivella com 20,26%. Garotinho vem em seguida, com 19,73%.

"Eu apanhava de quatro, agora vou apanhar só de um", brincou Pezão, em entrevista coletiva na Zona Sul do Rio, ao lado da mulher, Maria Lúcia, ao ser questionado sobre disputar o segundo turno com Crivella. Ele disse que nos próximos 20 dias de campanha eleitoral vai focar no corpo a corpo com a população e que irá procurar os partidos para buscar alianças. "Eu não tenho problema de conversar com ninguém", afirmou.

"A população aprovou nossa proposta. Vamos manter e ampliar as conquistas. Mas é claro que não estamos satisfeitos. Queremos paz em todos os lugares no estado; na educação, o primeiro lugar no Ideb; uma saúde que atenda a todo cidadão", acrescentou Pezão.
Após meses em terceiro nas pesquisas, Marcelo Crivella comemorou a ida para o segundo turno com Pezão. "Nossa campanha modesta contribuiu para chegarmos ao segundo turno. Eu sempre disse à minha equipe que pesquisas não decidem eleição. Foi uma catástrofe a pesquisa no Brasil inteiro. Essas coisas não são determinantes. Faço apelo no segundo turno que votem com a consciência sem olhar pesquisa."

Biometria atrasa votação
O TRE-RJ divulgou que 724 urnas eletrônicas precisaram ser trocadas por causa de defeitos. Em Niterói, a identificação dos eleitores por biometria gerou filas e atraso. O presidente Bernardo Garcez comentou que "as urnas biométricas foram uma solução para um problema inexistente". A apuração das 32.675 seções eleitorais terminou às 21h50.

27 candidatos presos
O estado teve um total de 27 candidatos e um vereador presos por propaganda irregular, segundo o TRE-RJ. Eles fazem parte de um total de 472 detidos em todo o estado. Somente na capital foram 236, de acordo com o tribunal.

Perfis e propostas
Pezão foi prefeito de Piraí, sua terra natal no Sul fluminense por dois mandatos. Foi secretário de governo na administração da governadora Rosinha Garotinho (2003 a 2007), e foi eleito por duas vezes vice-governador do Rio (em 2006 e 2010), na chapa do ex-governador Sérgio Cabral. Além de vice-governador, Pezão era também secretário de Obras do estado.

Já Crivella ingressou na carreira política em 2002: foi eleito senador do Rio de Janeiro em sua primeira disputa, com mais de 3,3 milhões de votos. No Congresso Nacional, foi vice-líder do governo Lula e líder da bancada do Partido Liberal (PL). Em setembro de 2005 fundou com o então vice-presidente da República, José Alencar, o Partido Republicano Brasileiro (PRB). Crivella foi reeleito senador em 2010.

Propostas
Entre as propostas do programa de governo de Pezão estão expandir o programa "Dupla Escola" a 75 colégios do estado, implantando ensino integral com conteúdo conectado ao mercado de trabalho; contratar 6 mil médicos para resolver o problema da falta de profissionais nas UPAs de todas as regiões do estado; construir 1.535 casas e levar serviço público às comunidades da Rocinha, Jacarezinho, Mangueira e Complexo do Lins e da Tijuca; levar o metrô até Méier e Madureira, implantar a Linha 3 para São Gonçalo e construir sete BRTs em São Gonçalo e na Baixada Fluminense.

Crivella tem entre suas propostas implantar o horário integral em escolas de ensino médio e a TV Enem com interação por internet; reduzir a evasão escolar na transição do ensino fundamental para o médio; reduzir em 30% o tempo dos deslocamentos na Região Metropolitana, mobilizar recursos de infraestrutura de transportes e integrar modais; fazer convênios com a iniciativa privada e o governo federal para 12 mil pacientes que esperam cirurgia, reabrir hospitais e reverter a privatização da saúde; expandir o programa “Cimento Social” e transformar moradias indignas em habitações, além de fazer parceria com governo federal para ampliar o “Minha Casa, Minha Vida".

Campanha
O candidato à reeleição fez inúmeras promessas para a Baixada Fluminense do estado durante a campanha eleitoral. Além de prometer acabar o problema de falta d'água, Pezão garantiu que pavimentará todas as ruas da região através do programa Bairro Novo, e investirá em Clínicas da Família. O peemedebista também se comprometeu a ampliar o programa de concessão de microcrédito nas favelas e em comunidades em vias de pacificação, a triplicar os centros educacionais tecnológicos do estado e a ampliar o número de comunidades com Unidades de Polícia Pacificadora no estado com a contratação de mais 11 mil policiais militares.

Durante a campanha eleitoral, o candidato Crivella se comprometeu a rever a concessão do Maracanã, com objetivo de baratear os ingressos, e quadruplicar o número de passageiros transportados por dia no sistema ferroviário do estado, através da ampliação da malha. Além de manter o projeto de Unidades de Polícia Pacificadora (UPPs), Crivella prometeu melhorar o patrulhamento de regiões como o Centro da cidade, com a criação de batalhões de motociclistas.

Confira o resultado da votação para governo do Estado do Rio:
Luiz Fernando Pezão (PMDB): 40,57% (3.242.513)
Marcelo Crivella (PRB ): 20,26% (1.619.165)
Anthony Garotinho (PR): 19,73% (1.576.511)
Lindberg Farias (PT ): 10% (798.897)
Tarcísio Motta (PSOL): 8,92% (712.734)
Dayse Oliveira (PSTU ): 0,42% (33.442)
Ney Nunes (PCB ): 0,11% (8.950)

veja também