MENU

Morre aos 66 anos, o jornalista Luciano do Valle

A morte do narrador foi confirmada pela TV Bandeirantes, emissora na qual trabalhava.

fonte: Guiame

Atualizado: Sábado, 19 Abril de 2014 as 9:36

Morre aos 66 anos, o jornalista Luciano do ValleNa tarde deste sábado, 19/04, morreu ao 66 anos, o jornalista e narrador esportivo Luciano do Valle. Ele foi internado em um hospital particular de Uberlândia após passar mal em um voo até a cidade.

Luciano foi socorrido pelo Corpo de Bombeiros ainda no aeroporto de Uberlândia, cidade onde iria narrar a partida "Atlético-MG X Corinthians", no domingo, pelo Campeonato Brasileiro.

A morte do narrador foi confirmada pela TV Bandeirantes, emissora na qual trabalhava.

O último jogo transmitido por ele foi a final do Campeonato Paulista - o título do Ituano sobre o Santos nos pênaltis no domingo passado.

Segundo a assessoria de imprensa do Hospital Santa Genoveva, Luciano deu entrada às 15h10 com parada respiratória e foi encaminhado direto para Unidade de Terapia Intensiva (UTI). O óbito foi confirmado às 16h15. A causa da morte ainda não foi confirmada.

O médico que o atendeu no voo, o cardiologista Roberto Botelho classificou a morte de Luciano como "súbita".

"Ele não teve dor e teve toda a assistência que uma pessoa pode ter nesta situação. Morte súbita é isso", disse.

Uma infecção infecção na aorta, embolia pulmonar e infarto são algumas das hipóteses levantadas como causa da morte.

Luciano do Valle era torcedor da Ponte Preta e iniciou sua carreira na Rádio Brasil. Ganhou destaque trabalhando na Rádio Nacional. Já em 2003, ele também fez parte da equipe esportiva da TV Record.

Algumas de suas narrações ficaram célebres, como o último gol de Zico pela seleção brasileira, em amistoso contra a Iugoslávia, em 1986 ("Não há palavras para descrever o gol de Zico"); o gol de Ronaldinho Gaúcho pelo Brasil contra a Venezuela na Copa América de 1999 ("golaaaço desse menino que é ótimo"); e o gol de Edílson pelo Corinthians sobre o Real Madrid no Mundial de Clubes em 2000 ("E aí ele disse: 'Eu sou o Edílson, o Capeta'").

Com informações do GloboEsporte

veja também