MENU

Cristão diz que Iraque pode passar por tempo de avivamento: "Muitos vão evangelizar no deserto"

A região é a segunda pior para um cristão morar. A perseguição religiosa não tem limites, mas os cristãos estão prosseguindo na batalha de joelhos no chão.

fonte: Guiame, com informações do site CBN

Atualizado: Quarta-feira, 16 Novembro de 2016 as 10:57

Muitos cristãos em todo o Oriente Médio estão lutando contra a guerra de joelhos no chão. (Foto: Reprodução).
Muitos cristãos em todo o Oriente Médio estão lutando contra a guerra de joelhos no chão. (Foto: Reprodução).

Atualmente, o Iraque é o segundo pior país para um cristão viver, de acordo com a classificação do ministério “Portas Abertas”. Isso por causa da perseguição religiosa. A busca por fazer mal aos crentes em Jesus tem crescido e, após os conflitos na região, principalmente na Síria, a extinção do povo cristão no país tem sido um tema muito discutido. Recentemente, Matthew Nowery, líder da organização Samaritan's Purse, no norte do Iraque, disse que este é o momento perfeito para o avivamento na região.

"Este é um convite perigoso, mas eu peço a oração de vocês pelas pessoas que vão ser deslocadas. Que Deus amoleça seus corações, que elas estejam receptivas à mensagem que muitos dos seguidores de Jesus vão pregar aqui no deserto do Iraque", disse ele ao site CBN News.

As forças curdas e iraquianas ainda estão lutando para quebrar o controle do Estado islâmico sobre Mosul, a terceira maior cidade do Iraque. Enquanto isso, milhares de refugiados estão fugindo de ataques mortais a poucos quilômetros da fortaleza do Estado Islâmico e os cristãos do Iraque estão pedindo a Deus para que Ele restaure suas terras.

O correspondente da CBN News, Chuck Holton, descreveu a cena que presenciou na linha de frente no norte do Iraque. "Estamos ouvindo um monte de explosões e tiros de metralhadora. Há aviões de guerra circulando sobre nossas cabeças", disse ele.

Acolhimento

Apesar da cena ser cheia de explosões intensas, fumaça e tiros, é impossível ignorar os milhares de refugiados feridos que estão tentando salvar suas vidas. "Eles vêm em grupos de 10, 20, 30, até 100 para se renderem", disse Holton. "Muitos foram informados pelo EI que se eles fossem para a região dos curdos, seriam decapitados por eles. Os refugiados disseram que prefeririam morrer por mãos curdas que pelos extremistas".

Os refugiados estão cansados ​​e feridos e quando eles alcançam o território curdo, recebem tigelas de comida e copos de água. "Quando chegam às linhas curdas e descobrem que são bem cuidados e recebem comida e água, eles começam a chorar", disse Holton. "Os feridos que vimos há pouco tempo atrás, incluindo um homem que foi casado, perdeu a esposa e o irmão em um ataque aéreo dos EUA. Sua filha que estava com ele perdeu um braço e um olho", relatou.

Apesar de muitos terem escapado, Holton diz que ainda há muitos presos no território do EI. "O Estado Islâmico reuniu milhares e milhares de pessoas em Mosul, onde está a luta. O grupo extremista está usando eles como escudo humano. Existem mais de 700 mil pessoas ainda presas em Mosul", disse ele.

Muitos cristãos em todo o Oriente Médio estão lutando contra a guerra de joelhos no chão. Eles estão orando para que Deus santifique e restaure a terra que os jihadistas contaminaram.

veja também