MENU

Ação judicial em São Paulo visa impedir uso integral da 2ª cota do volume morto da Cantareira

Pedido é do Ministério Público Federal e da Promotoria estadual. Órgãos querem meta para recuperação do sistema em 5 anos.

fonte: Globo.com

Atualizado: Terça-feira, 7 Outubro de 2014 as 10:42

O Ministério Público Federal e o Ministério Público Estadual em São Paulo tentam barrar na Justiça o bombeamento de mais água e querem metas para recuperação do Sistema Cantareira em 5 anos. Na segunda-feira (6), já com o uso do volume morto, o sistema operava com 5,8% de sua capacidade.

A ação tentando impedir o uso da nova cota do volume morto foi ajuizada na segunda na Justiça Federal de Piracicaba, no interior de São Paulo. Os órgãos admitem, contudo, que se for imprescindível, sejam usadas parcelas com o "máximo de cautela".

O Ministério Público Federal e a Promotoria estadual querem ainda que a companhia garanta que o estoque atual de água dure até 30 de novembro.

Também na segunda, a Sabesp previa enviar à Agência Nacional de Águas (ANA) uma versão final do plano de demanda e contingência do Sistema Cantareira. No plano, a companhia deveria explicar como vai usar a nova cota de 106 bilhões de litros. O detalhamento é necessário para que a ANA autorize o uso da reserva técnica.

Até as 18h30 de segunda, a ANA ainda não havia recebido o documento da Sabesp.
A Sabesp e a ANA informaram que ainda não foram notificadas da ação do Ministério Público Federal e do Ministério Público Estadual.

A Sabesp afirma que o abastecimento está garantido por medidas como o bônus.

 
 
 

veja também