MENU

Após pane, metrô de Brasília amanhece com portões fechados

Após pane, metrô de Brasília amanhece com portões fechados

fonte: Globo.com

Atualizado: Quarta-feira, 2 Julho de 2014 as 8:30

metroAs 24 estações de Metrô do Distrito Federal amanheceram fechadas nesta quarta-feira (2), por causa da pane elétrica que afetou o sistema e desenergizou os trilhos entre a Asa Sul e a Rodoviária do Plano Piloto. De acordo com a empresa, técnicos passaram o dia fazendo reparos na linha e agora realizam testes antes de liberá-la. Não há previsão para a normalização da atividade.

Por volta das 6h50, um trem deixou vazio a Estação Águas Claras. Ele chegou a parar nos trilhos, mas depois continuou o trajeto. Apesar disso, as estações prosseguiam fechadas. O Metrô informou que o sistema será operado manualmente e que a retomada do serviço deverá ser gradual.
De acordo com o diretor de Operações, Fernando Sollero, às 7h30 os técnicos estavam iniciando a injeção do sistema para dar início à operação. "Ainda não sabemos o que provocou o curto-circuito. Cabos ficaram derretidos e uma das nossas três subestações parou de funcionar. Puxamos energia de Águas Claras [uma das unidades] para abastecer o sistema. Nossa maior urgência agora é prestar atendimento à população, é voltar a rodar."

Para evitar maiores transtornos aos passageiros, o DFTrans enviou na terça ônibus para a Estação Terminal Asa Sul para transportá-los conforme o trajeto do Metrô – da Asa Sul até a Rodoviária do Plano Piloto. Os usuários não precisaram pagar pelo serviço.

Mas, apesar dos veículos extras, passageiros reclamaram da falta de informações e do transtorno causado pela interrupção do serviço e prefeririam pagar passagem de ônibus para chegar ao destino. Na volta para casa, quem estava na rodoviária do Plano enfrentou muitas filas.

A pediatra Juliana Silveira, de 36 anos, chegou desesperada à estação Asa Sul. Após se deparar com portas fechadas na Estação 114 sul, ela afirmou ter aguardado por quase uma hora um ônibus que a levasse para Taguatinga.

"Cheguei na estação e tinha um papel escrito a mão, falando que o metrô estava sem funcionar por tempo indeterminado. Estou desesperada porque estou indo dar plantão no hospital e entro as 19h", afirmou por volta das 18h30.

Juliana disse que teve de pegar um táxi para chegar ate a estação. "Falta de informação. Um absurdo. Cheguei a pensar em ir para Taguatinga de táxi, mas o motorista disse que não chegaria a tempo", afirmou. "Isso traz transtorno para o trabalho. Pode ser que eu leve falta mesmo trabalhando por causa do atraso. Um absurdo", disse.

De acordo com o Metrô, o problema aconteceu depois do rompimento de um cabo de energia durante a obra de revitalização do viaduto da L2 Sul. A situação acabou provocando sobrecarga na Estação Águas Claras, que desde então ficou responsável por energizar todo o tronco de linhas do Plano Piloto.

O Metrô recebe diariamente cerca de 140 mil passageiros. A estação com maior fluxo é a da Rodoviária do Plano Piloto, por onde passam 20 mil pessoas por dia. O horário de funcionamento em dias normais é entre 6h e 23h30.

Manutenção
No final do mês passado, o Metrô fechou, pela segunda vez, contrato emergencial com o Consórcio Metroman para realização dos serviços de manutenção preventiva e corretiva do sistema para o período de seis meses. A contratação, de R$ 48 milhões, foi publicada no Diário Oficial.
O consórcio, formado pelas empresas Serveng-Civilsan e MGE, é investigado pelo Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) por suspeita de formação de cartel com a Alstom para as obras de manutenção do Metrô de São Paulo e do DF. Até o início de 2013, o consórcio era formado pelas empresas Siemens e Serveng-Civilsan.

veja também