MENU

Após tirar fotos em ônibus mulher apanha

Funcionária pública levou socos dentro de ônibus em Votorantim (SP). Empresa diz que caso demonstra 'falta de civilidade' entre as passageiras.

fonte: Globo.com

Atualizado: Quarta-feira, 17 Setembro de 2014 as 2:21

Uma funcionária pública de 45 anos foi agredida dentro de um dos ônibus do transporte coletivo intermunicipal da empresa São João, que faz a linha entre  Sorocaba (SP) e Votorantim (SP). Ela denunciou o caso para a Polícia Civil, que investiga o incidente ocorrido no dia 11 de setembro.

Ela afirma que uma jovem entrou no ônibus, sentou-se próxima ao motorista e ficou conversando com ele. A vítima achou a atitude errada por tirar a concentração dele e resolveu tirar fotos para fazer uma denúncia formal à empresa e, por isso, foi ameaçada e agredida.

A vítima, de Votorantim, trabalha em Sorocaba e utiliza a linha intermunicipal diariamente. “Fui brutalmente agredida na volta do trabalho. Sou do tipo de pessoa que vê coisa errada e não consegue ficar quieta, então achei que deveria fazer alguma coisa. Por isso resolvi fotografar para denunciar para o fiscal com a prova, afinal, o motorista não estava prestando atenção no trânsito enquanto conversava com a amiga dele”, conta a funcionária pública. Ela explica ao G1 que assim que pegou o celular e fez a foto, a mulher se levantou, passou pela catraca e a ameaçou. “Disse que a denunciaria por ameaça, então levei o primeiro soco na cara”, diz.

As mulheres trocaram socos e puxões de cabelo, até que a funcionária pública conseguiu dominar a jovem. “O motorista parou o ônibus e nos separou. Depois voltou a dirigir”, complementa a funcionária pública. Ela conta que chamou a Polícia Militar de dentro do ônibus. “Ela [agressora] ria histericamente e dizia que mais um boletim de ocorrência na vida dela não faria diferença”, afirma a funcionária pública.

Após receber atendimento médico, a vítima foi até o plantão policial acompanhada de policiais militares e no dia seguinte registrou a agressão na Delegacia de Defesa da Mulher. Depois disso, passou por exames de corpo de delito no Instituto Médico Legal. “Não sinto raiva de nenhum deles, mas estou denunciando por ser minha obrigação moral. É na covardia das pessoas que os marginais se sentem livres e impunes”, desabafa. A funcionária pública está afastada do trabalho temporariamente para se recuperar das lesões. “Tenho medo, me sinto refém desta situação por depender de ônibus e sei que terei que voltar a pegá-lo”, conclui.

De acordo com Fabiano, antes da briga, o motorista tentou apaziguar a discussão das duas mulheres. "Ele chegou a pedir para a jovem ir para trás do ônibus". A garota foi para um acento no fundo ônibus, mas a discussão continuou, resultando na briga.

'Sem comprovação'
Segundo o gerente de serviços da Viação São João, Marco Franco, a empresa não fará nada sobre o incidente. “Não posso punir o motorista, não há nada comprovado. A situação não está muito clara e desavenças são comuns”, explica, dizendo também que o caso da agressão da funcionária pública é algo que foge do controle da empresa. “Este incidente não envolve a empresa, é falta de civilidade entre as passageiras”, avalia Marco.

Sobre a reclamação da desatenção do motorista, ele diz que a empresa orienta os funcionários a serem educados com os passageiros e responderem dúvidas. “O motorista alega que ele não estava conversando com a passageira, ele disse que estava esclarecendo algumas dúvidas dela, como não foi uma conversa, a atenção dele não foi tirada”, avalia. Caso a conversa entre motorista e passageiro fosse comprovada – dependendo do histórico do funcionário – a penalidade pode variar de orientação verbal a demissão.

 

O gerente de serviços ressalta ainda que o motorista parou o ônibus para intervir e que todos os funcionários da empresa passam por treinamentos regulares para manter a qualidade dos serviços prestados. A Viação São João conta com 70 ônibus que realizam o transporte coletivo intermunicipal. Seis deles estão com câmeras em fase de teste.

De acordo com a Polícial Militar de Votorantim, a única solicitação registrada foi a da vítima. Não há registros de solicitação da empresa de ônibus.

 

veja também