MENU

Dilma exige mais segurança para a Seleção Brasileira, após manifestações na segunda-feira

Dilma exige mais segurança para a Seleção Brasileira, após manifestações na segunda-feira

fonte: O GLOBO

Atualizado: Quarta-feira, 28 Maio de 2014 as 9:46

ônibus da seleçãoO incidente de segunda-feira no Rio com a delegação brasileira de futebol, que teve o ônibus cercado e tocado por manifestantes no primeiro teste da segurança da Copa do Mundo, irritou a presidente Dilma Rousseff e causará mudanças na segurança das delegações que virão à cidade para os jogos. Dilma pediu explicações e determinou que o ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, e o general José Carlos de Nardi, chefe do Estado-Maior Conjunto das Forças Armadas, viessem ao Rio. Os dois chegaram na terça-feira à tarde e se reuniram com o secretário de Segurança do Rio, José Mariano Beltrame, no Centro Integrado de Comando e Controle Regional. O encontro só deveria ocorrer nesta quarta-feira, mas foi antecipado. Na terça-feira, em encontro com empresários, Dilma afirmou que não haverá baderna na Copa do Mundo.

Apesar de avaliar oficialmente que as medidas de segurança planejadas foram executadas, e que não houve riscos para a delegação brasileira, o Ministério da Defesa admitiu em nota enviada ontem ao GLOBO que, “diante dos acontecimentos, diversas outras medidas serão aprimoradas para evitar que fatos dessa natureza ocorram”. A primeira delegação que participará da Copa, a Austrália, chega nesta quarta ao Brasil.

Na terça-feira, pelo segundo dia seguido, a segurança de eventos relativos à Copa apresentou falhas, dessa vez causando transtornos em Brasília e interrompendo a apresentação da Taça Fifa, que será entregue à seleção campeã mundial e estava sendo exibida no estacionamento do Estádio Mané Garrincha. Um protesto de 1.000 pessoas, segundo a Polícia Militar (PM), parou a capital federal.

Além dos jogadores brasileiros, ficarão no Rio treinando para a Copa três seleções: Inglaterra, Itália e Holanda. As duas últimas chegam em 6 de junho; Inglaterra é esperada para o dia 8.
A delegação do Camarões também desembarca no Rio, mas segue para o Espírito Santo. A primeira delegação que participará do Mundial, a Austrália, chega hoje ao Brasil.
— Seria péssimo para a imagem dos jogos, do Brasil e do Rio, que um incidente igual ocorresse na chegada dos convidados. Por exemplo: que a delegação inglesa ficasse em meio a uma manifestação no caminho do treino — afirmou um oficial do Rio envolvido na segurança do evento.

A segurança da Copa é dividida em três níveis: Defesa, com as Forças Armadas à frente; Segurança Pública, coordenada pela Polícia Federal, com apoio da segurança pública local; e Inteligência, liderada pela Agência Brasileira de Inteligência (Abin). Na opinião de pessoas ligadas ao planejamento, as falhas ocorreram nos dois primeiros eixos, já que o setor de Inteligência informou que haveria manifestantes na chegada da delegação brasileira ao Rio, tanto no aeroporto, no hotel, como na Granja Comary, em Teresópolis.

O cerco à delegação brasileira pelos manifestantes assustou os jogadores, mas atingiu principalmente a presidente Dilma Rousseff: levando em consideração o retorno que recebeu dos responsáveis pela segurança do evento, ela assegurou, em recente jantar com jornalistas esportivos no Palácio do Planalto, que ninguém iria encostar a mão nas delegações das seleções.
No planejamento da segurança da Copa, só o Rio terá 20 mil homens das forças de segurança federal, estadual e municipal mobilizados para atuar durante todo o evento. Um efeito tão grande tornou ainda mais difícil aceitar que a seleção tenha passado por cena tão constrangedora: eram cerca de 70 pessoas, entre professores das redes municipal e estadual, que estão em greve, e apoiadores do movimento. Apenas 30 policiais estavam presentes no local.

— A segurança não funcionou. Ficou claro. O plano de segurança, por melhor que seja, é inútil se não for efetivamente executado. O material humano empregado na operação precisa estar devidamente equipado, treinado e motivado. A polícia, em um caso como esse, precisa usar os meios mínimos necessários em diferentes gradações de uso da força legal, de modo preventivo e/ou repressivo, não perdendo nunca o controle da situação, como aconteceu ontem — afirmou o delegado federal aposentado Antônio Rayol, que coordenou grandes encontros de chefes de Estados no Rio, como a Conferência Mundial de Meio Ambiente, a Rio-92.

 

veja também