MENU

Futuro pai sabia de gravidez da mulher que morreu em aborto

fonte: EXTRA

Atualizado: Sexta-feira, 26 Setembro de 2014 as 12:34

Desde que a auxiliar administrativa Jandira Magdalena dos Santos Cruz desapareceu, no último dia 26 de agosto, a mãe da jovem, Maria Ângela dos Santos, procura por um homem chamado Mayck Breda Santos. Ela afirma que ele era o pai da criança que Jandira estava esperando. O rapaz de 28 anos trabalha como mecânico em uma plataforma de petróleo e estava embarcado desde o último dia 9 de setembro. Segundo ele, os dois tiveram um relacionamento rápido e Mayck só soube da morte de Jandira pelas notícias publicadas sobre o caso. A mãe confirma a história.

— Jandira me contou que era dele, Mayck. Me disse sem dúvida. Falou que não era nada sério e que não queria ter a criança, não tinha condições de cuidar de mais um filho — disse Maria Ângela, ao EXTRA, há duas semanas, quando a filha ainda estava desaparecida.

Mayck admite que sabia da gravidez da jovem e do desejo dela de abortar. O mecânico, no entanto, não explicou se tentou ou não convencer a jovem de desistir da ideia.

— Ela chegou a me contar, sim. Saí com ela algumas vezes, em festas, baladas e tal. Mas nunca foi nada sério. Estou sabendo muito por alto, pelos jornais e pela TV. Ainda vou ligar para a mãe dela — conta Mayck.

A irmã de Jandira, Joyce Liane dos Santos, diz que não tem interesse em entrar em contato com o jovem e que a única preocupação da família agora é resolver as questões burocráticas que ainda impedem a realização do sepultamento da irmã.

— Falar com ele não vai trazer a Jandira de volta. Não tem por que, não adianta nada. Só quero agora conseguir enterrar a minha irmã. Eu nem sabia dessa história, ela só tinha contado para a minha mãe, mas se ele não procurou nada até agora também não devia estar muito preocupado — diz Joyce.

Mayck e Jandira já se conheciam há mais de um ano, por uma amiga em comum. Há cerca de cinco meses, os dois começaram a sair juntos. A amiga, que prefere não se identificar, diz que reparou que os dois estavam tendo um relacionamento por meio de fotos que foram publicadas nas redes sociais.

— Éramos muito próximos, mas nunca desconfiei de nada, até que vi, no Facebook, uma foto dos dois juntos em uma festa. Mas nunca imaginei que ele pudesse ser o pai do filho que ela estava esperando. Ela chegou a me contar que estava grávida, mas não disse quem era o pai — conta a amiga.

Segundo o ex-marido de Jandira, Leandro Brito Reis, a jovem também já tinha lhe contado que Mayck era o pai da criança que ela estava esperando. De acordo com ele, a notícia da gravidez atrapalhou um possível retorno do casal, que havia se separado no ano passado.

— Ela tinha me falado desse tal de Mayck. A gente estava se reaproximando, mas quando eu soube que ela estava grávida de outra pessoa decidi me afastar — explica Leandro.

Enterro deve ser no domingo

O corpo de Jandira já foi liberado pelo Instituto Médico Legal e a família da jovem já conseguiu a certidão de óbito para realizar o sepultamento. O enterro da jovem deve ser realizado no próximo domingo, no cemitério de Ricardo de Albuquerque, na Zona Norte do Rio. A família aguarda ainda os últimos detalhes para conseguir retirar o auxílio funeral ao qual ela tinha direito, por trabalhar em uma concessionária de automóveis.

A Polícia Civil está perto também de encerrar as investigações sobre a morte da jovem. Dois suspeitos de participação no crime ainda são procurados. Um deles é Carlos Augusto Graça de Oliveira, suspeito de ter atuado como médico na cirurgia de Jandira. Ele já foi preso duas vezes por exercer ilegalmente a medicina.

Até o momento, estão presos — além de Vanuza Vais Baldacine, mulher que levou Jandira para a clínica — Rosemere Aparecida Ferreira, suspeita de liderar a quadrilha, Marcelo Eduardo Medeiros, dono da casa que servia como clínica, e Mônica Gomes Teixeira, esposa de Marcelo e recepcionista da clínica clandestina. Todos os integrantes do bando identificados pela polícia vão responder por homicídio qualificado, aborto de terceiros, ocultação de cadáver e formação de quadrilha.

O corpo de Jandira foi encontrado carbonizado, dentro de um carro, em um sítio em Pedra de Guaratiba, na Zona Oeste, com os braços e pernas cortados e sem a arcada dentária. A jovem, que tinha 27 anos, deixa duas filhas, de oito e 12 anos.

 

veja também