MENU

Geraldo Alckmin diz que se metrô fizer greve, equipe reserva irá trabalhar

Geraldo Alckmin diz que se metrô fizer greve, equipe reserva irá trabalhar

fonte: Globo.com

Atualizado: Quarta-feira, 11 Junho de 2014 as 2:17

Lotação no Metrô durante paralisaçãoO governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), afirmou nesta quarta-feira (11) que existe um plano de contingência para operar o Metrô na capital paulista caso o sindicato dos metroviários volte a entrar em greve. De acordo com o governante, há uma equipe reserva para trabalhar na quinta-feira (12), dia da abertura da Copa do Mundo, se a categoria decidir retomar a paralisação do serviço de transporte público.

A greve dos metroviários foi suspensa na segunda-feira (9) após cinco dias de paralisação para cobrar aumento salarial. Na tarde desta quarta-feira, o sindicato realizará assembleia para decidir de volta a parar ou não. A categoria reivindica a recontratação de 42 funcionários grevistas demitidos pelo governo estadual.
“Nós temos um plano de contingência”, disse Alckmin. A declaração do governador foi dada à imprensa durante coletiva na nova sede da Central de Operações da Polícia Militar (Copom), na região central da capital. Antes da chegada do goverrnador, o deputado estadual Major Olímpio Gomes (PDT) protestava pacificamente em frente ao prédio do Copom. Usando um megafone e uma caixa de som, ele cobrava de Alckmin melhores salários para os policiais militares.

Equipe reserva
Alckmin entretanto não detalhou como será o funcionamento dessa equipe reserva de funcionários do metrô. “O Metrô explicitará”, disse. “Nós estamos preparados para operar o trem e o metrô”, completou o governador.

Assim como fez na terça-feira, Alckmin voltou a afirmar que a população terá metrô na quinta-feira. “Amanhã nós teremos trem e metrô na abertura da Copa do Mundo”, reiterou.
O governador afirmou ainda que o governo não pretende demitir ninguém, mas que não vai voltar atrás nas demissões de 42 funcionários. "Acho que o país está cansado de impunidade, está cansado de hipocrisia, está cansado de solidariedade seletiva”, disse.

Ônibus
O secretário municipal de Transportes Jilmar Tatto também afirmou nesta quarta-feira que São Paulo terá um plano operacional de contingência, o chamado Plano B, caso os metroviários façam nova paralisação na abertura da Copa do Mundo. "Tem todo um plano de contingência operacional para garantir que todos os torcedores vão com segurança e a tempo", disse. "A cidade de São Paulo tem grandes eventos e está preparada para isso."
Segundo ele, a cidade toda está de sobreaviso. "As empresas [de ônibus] se precisar serão convocadas", disse Tatto. "O frota de ônibus na região da Arena Corinthians será reforçada nesta quinta-feira com o deslocamento de linhas de outras regiões. Nas demais áreas da cidade, a frota circulante não terá alterações e vai funcionar com 50% dos carros disponiveis, como em qualquer outro feriado."

Assembleia
A assembleia dos metroviários está prevista para as 18h30 desta quarta-feira. Em sua página na internet, o sindicato dos metroviários chama o governador Alckmin de "autoritário". Os sindicalistas afirmam que haverá greve caso não sejam readmitidos os 42 funcionários demitidos pelo governo estadual por causa da paralisação, que começou na quinta-feira (5) e durou cinco dias.

Na terça-feira, Alckmin classificou uma eventual nova manifestação no dia da abertura da Copa de "oportunismo" dos metroviários. A Arena Corinthians, que receberá o jogo inaugural entre Brasil e Croácia, fica ao lado das estações Arthur Alvim e Corinthians-Itaquera do Metrô e da CPTM. O transporte público é sugerido pelo governo como o principal meio de transporte para o torcedor que quiser assistir a partida.

Os metroviários, que já pediram cerca de 35% de reajuste salarial, agora reivindicam 12,2%. Já o Metrô informou que não dará mais que 8,7%. O Tribunal Regional do Trabalho (TRT) julgou a greve abusiva e aumentou a previsão de multa diária de R$ 100 mil para R$ 500 mil para o sindicato, caso o Metrô não opere com 100% da capacidade nos horários de pico. Também bloqueou as contas do sindicato para garantir o pagamento de R$ 900 mil pelos dias parados.
Uma das medidas que podem ter impactado mais a greve, porém, foi a demissão de 42 funcionários na segunda-feira. As demissões ocorreram pela manhã e, à tarde, o Metrô já conseguia abrir estações que haviam ficado fechadas nos dias anteriores, como Belém, Tatuapé e Carrão.
Na segunda-feira, em assembleia, os trabalhadores haviam votado pela suspensão temporária da paralisação.

Manifestações
Outro assunto que Alckmin foi indagado nesta quarta-feira foram as manifestações contrárias aos gastos públicos contra a Copa do Mundo. "Manifestação não tem nenhum problema, manifestação legítima. O que não pode é depredação, tirar o direito das pessoas de ir e vir, vandalismo", disse o governador.

"A população pode ficar tranquila", disse o secretário da Segurança Pública, Fernando Grella Vieria, em referência ao deslocamento dos torcedores em direção a Arena Corinthians.
A Tropa do Braço da PM poderá ser utilizada para impedir manifetantes de bloquearem vias importantes que levem ao estádio de Itaquera. "Espero que não, mas ela vai estar preparada para agir, se necessário", disse o coronel Benedito Roberto Meira, comandante da Polícia Militar.

Só em Itaquera, Zona Leste. perto da arena, serão 4 mil policiais militares. "Teremos PMs ainda nos metrôs para garantir que eles funcionem e levem os torcedores", disse Meira.

veja também