MENU

Ministério da saúde descarta Suspeita de ebola em Foz do Iguaçu

Paciente que procurou hospital da cidade não esteve em Serra Leoa. Usuários e profissionais de saúde estavam isolados e foram liberados.

fonte: Bem Estar - Globo.com

Atualizado: Quinta-feira, 16 Outubro de 2014 as 1:08

A Secretaria de Saúde de Foz do Iguaçu, no oeste do Paraná, descartou a suspeita de ebola em um paciente que procurou a Unidade de Pronto Atendimento (UPA) da cidade.

De acordo com Sezifredo Paz, superintendente regional de saúde do Paraná, a primeira informação divulgada era a que um brasileiro de 22 anos, com sintomas de febre, náuseas e icterícia, tinha retornado há poucos dias de Serra Leoa, uma das nações da África Ocidental com mais casos de contaminações e mortes por ebola.

Por isso, o protocolo de suspeita de ebola foi inicialmente acionado pelos profissionais de saúde. Ele consiste no isolamento do paciente e de todos que tiveram contato com ele.

No entanto, segundo Paz, a informação não foi confirmada e, mais tarde, verificou-se que o jovem não teve passagem por nenhum país africano. Os documentos analisados comprovaram que o suspeito de ter ebola tinha viajado para China, Dubai, Líbano e Itália – nenhuma dessas localidades foi afetada pela epidemia do vírus.

A UPA foi temporariamente fechada e o paciente isolado, mas como o caso foi oficialmente descartado para ebola, o local foi reaberto.

Segue a nota divulgada pelo governo paranaense:

Autoridades sanitárias de Foz do Iguaçu e da Secretaria Estadual da Saúde descartaram a suspeita de ebola em paciente atendido na Unidade de Pronto Atendimento João Samek, no município de Foz do Iguaçu

O paciente, um homem de 22 anos, é brasileiro, filho de libaneses, morador de Foz do Iguaçu que esteve em viagem internacional pela China, Dubai, Líbano e Itália. Procurou atendimento na madrugada desta quinta-feira (16) com febre, náuseas e icterícia.

“O protocolo de suspeita de ebola foi inicialmente acionado pelos profissionais da Unidade de Saúde por conta de suas viagens. Em algum momento houve a informação de que ele poderia ter passado pelos países africanos com circulação do vírus de ebola, mas essa informação foi descartada pelo próprio paciente e as autoridades tiveram acesso a seu passaporte que não registra passagem pela África”, explica o superintendente de Vigilância em Saúde da Secretaria de Estado da Saúde, Sezifredo Paz.

A Unidade de Pronto Atendimento foi temporariamente fechada e o paciente isolado, mas como o caso foi oficialmente descartado para ebola, a UPA já foi reaberta ao público.

 



veja também