MENU

Motorista foge com caminhão-pipa para ajudar bairro sem água

Fábio Roberto distribuiu 16 mil litros de água a moradores na Zona Leste. 'Vontade de ajudar falou mais alto', disse, sobre possibilidade de demissão.

fonte: Globo.com

Atualizado: Sexta-feira, 31 Outubro de 2014 as 8:34

Na manhã do dia 14 de outubro, o motorista de caminhão Fábio Roberto dos Santos, 37, chegou ao local onde trabalha, em Diadema (Grande SP), abasteceu o caminhão-pipa, mas não o levou para atender as demandas da empresa como de costume. Sem pedir autorização, ele dirigiu até o Jardim Novo Pantanal (Zona Sul de SP), onde mora, e distribuiu 16 mil litros d’água para cerca de 800 pessoas. O bairro estava sem água havia quatro dias.

“Amanhã eu vou dar um jeito”, disse Fábio para a mãe um dia antes, na noite de segunda-feira, dia 13. Ao G1, o motorista contou que considerou a possibilidade de advertência, suspensão e até demissão, e mesmo assim decidiu seguir em frente com o plano de socorro aos vizinhos. “A vontade de ajudar o pessoal lá falou mais alto”, disse. Na sexta-feira, dia 10, começou a faltar água no bairro.

Sábado, sem água. Domingo, dia das crianças, sem água. “No domingo, foi feita uma brincadeira para as crianças lá, e foi um dia absurdamente quente. Quem tinha caixa consumiu muita água, com a esperança de que a água já voltasse no domingo à noite, pelo menos. Acumulou criança, roupa, banheiro, e chegamos na segunda-feira sem água. Cheguei em casa na segunda a noite, sem água. A situação já era crítica no bairro inteiro”.

O motorista encheu o tanque com 16 mil litros de água potável, ao custo de R$ 78, com o dinheiro do próprio bolso. Esse valor é válido para quem já tem o caminhão-pipa, só para coletar a água. "Se você liga para a empresa e contrata para levar no seu prédio, no seu condomínio, aí envolve outras coisas, o custo de operação do caminhão, combustível, seguro por km rodado, salário do motorista, distância percorrida, envolve tudo isso". Com o acréscimo por esses serviços, o preço de um tanque cheio sobe para uma média de R$ 600, segundo Fábio.

Ele conta que antes de estacionar o caminhão, a fila começou a se formar na rua. “As pessoas antes mesmo de eu encontrar lugar para parar já saíam com o balde na mão, um negócio absurdo”. Fábio disse que não imaginou que fosse aparecer tanta gente e teve receio que algo pudesse acontecer. “Fiquei com medo de perder o controle da situação, as pessoas tomarem posse do caminhão, coisas desse tipo.”

A ação durou cerca de 3h30. No final, segundo a estimativa de Fábio, aproximadamente 800 pessoas receberam água. Um caso em especial chamou a atenção do motorista. Um adolescente perguntou: “Moço, o caminhão vai descer lá para a outra parte do bairro?”. Ao ouvir que não seria possível, o jovem explicou que queria levar água para uma cadeirante que morava do outro lado do bairro e não teria como chegar ao local. “Essa parte acabou comigo”, desabafou Fábio.

A água voltou apenas no dia seguinte, às 15h da quarta-feira, dia 15. O motorista disse que a empresa pensou em demiti-lo, mas mudou de ideia. Ainda assim, ele faria tudo de novo. “Se fosse para repetir aquele dia eu não mudaria nada, nenhuma vírgula”. Como a história teve uma boa repercussão, o funcionário acredita que deixou uma lição: “Mostrar que dá para tocar uma empresa valorizando as pessoas”

No dia seguinte após o plano de ajuda aos vizinhos, Fábio contou que diversos veículos de imprensa o procuraram para contar sobre sua atitude e que os colegas de trabalho passaram a comentar sobre a repercussão. “Não dei a menor bola. Não sou deslumbrado com essas coisas”.
 
No entanto, o motorista disse que teve uma alegria com a repercussão e que isso já o teria deixado satisfeito: “Já tem mais gente vendo que o que a Sabesp fala é uma coisa, que o que o governador não fala é uma coisa, e a realidade que as pessoas estão passando em São Paulo com a história da falta d’água é uma coisa muito diferente”.

Separado e pai de dois filhos, um jovem de 18 e uma menina de 14, Fábio confessou que, após a repercussão positiva, ficou esperançoso com a reação da filha, que mora com a mãe. "Tomara que a minha filha veja, que ela se sinta orgulhosa disso, né?”.

Fábio estudou até a quarta série, mas conta que isso não o impediu de se instruir, e que se educou e adquiriu um bom vocabulário assistindo telejornais desde criança. Na cabine do seu caminhão está a atual leitura: "Os Pensadores - Voltaire".

Ele contou que já teve depressão, e que na pior crise chegou a ficar 90 dias sem sair de casa. Sem tratamento médico para tratar o problema, ele disse que se curou através dos livros, quando começou a ler os grandes pensadores. “Conheci o sofrimento do mundo”, explicou. Com este episódio de ajuda aos vizinhos, Fábio acredita que isto veio para “fechar o ciclo” da doença.

 

veja também